Árvore genealógica de Rosa Lobato de Faria

A escritora, poetisa e actriz Rosa Maria de Bettencourt Rodrigues Lobato de Faria nasceu em Lisboa, na freguesia de Santa Isabel, a 20 de Abril de 1932. Começou a escrever poesia aos seis anos. Foi aluna do Instituto de Odivelas, colégio para filhas de militares. Do casamento dos seus pais, teve uma única irmã, mais velha, que estudou Psicologia.

A sua mãe, Vera Corrêa Mendes de Bettencourt Rodrigues, natural de Lisboa, era filha de José Júlio de Bettencourt Rodrigues, bacharel em Química e professor do Liceu de Lamego, e de Maria Jesuína Corrêa Mendes. Vera Corrêa Mendes de Bettencourt Rodrigues casou em 1927 com Joaquim António de Lemos Lobato de Faria, capitão-de-mar-e-guerra do porto da Figueira da Foz e de Caminha, que nasceu em Pangim, ilhas de Goa, em 1902.

Rosa Lobato de Faria é um raro caso de consanguinidade documentada na sua ascendência. Os seus pais eram parentes, desde logo por serem ambos bisnetos do general Raimundo Corrêa Mendes, membro do Conselho do Governo da Índia, e de Lina Lucília de Lemos. Esta senhora era neta de Bernardo de Lemos Telo de Menezes, capitão do Estado da Índia em 1801, e de Ana Isabel de Saldanha. Era esta senhora filha de Bernardo de Lemos Faria, governador de Macau, e de Joaquina Saldanha Noronha e Menezes, neta paterna de Bernardo de Lemos, tanador-mor das ilhas de Goa, e de Antónia Lobato de Faria, filha de Manuel Lobato de Faria, governador de Damão, natural de Viana do Castelo e o primeiro desta família a passar para a Índia.

O avô paterno de Rosa Lobato de Faria foi o capitão Sertório Lobato de Faria, administrador do concelho das ilhas de Goa, quarto neto por varonia deste Manuel Lobato de Faria, governador de Damão, e de Joana Gameiro Soares Rolim. Casou em Pangim com Ana Josefa de Lemos, trineta dos acima referidos Bernardo de Lemos Telo de Menezes e de Ana Isabel de Saldanha. Assim, os avós paternos de Rosa Lobato de Faria eram parentes da sua mãe além de parentes próximos entre si.

Os quartos avós da escritora foram o brigadeiro José Maria Lobato de Faria, segundo morgado de Nerul, e Ana Leonor Rita da Cunha. Esta era filha de Miguel Carlos de Távora e neta paterna dos quintos condes de São Vicente - Miguel Carlos da Cunha da Silveira e Távora e sua mulher D. Rosa de Ataíde. Miguel Carlos de Távora casou na Índia com Inácia de Vilhena e Castro, filha do capitão Diogo Prestes de Abreu. Este capitão foi pai de Rita de Vilhena e Castro, casada com Caetano Lobato de Faria, de quem teve o referido segundo morgado de Nerul, José Maria Lobato de Faria, primo direito de sua mulher.

Os citados quintos condes de São Vicente pertenciam à nobreza de corte do século XVIII, descendendo das primeiras famílias do reino. O conde era bisneto por varonia de António Luís de Távora, segundo conde de São João da Pesqueira, senhor da casa de Távora. A condessa era filha dos nonos condes de Atouguia e neta materna do segundo marquês de Távora, por sua vez neto deste segundo conde de São João da Pesqueira. Poderemos encontrar outras consanguinidades na árvore genealógica de Rosa Lobato de Faria, que se enreda também sempre na História de Portugal.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.