a biografia em seis volumesescrita por franco noqueira

___ Alberto Franco Nogueira (1918-1993) foi ministro dos Negócios Estrangeiros de Salazar entre 16 de Abril de 1961 (três dias depois do falhanço do golpe de Botelho Moniz) e 5 de Outubro de 1969, tendo assim ainda ocupado o cargo um ano sob Marcelo Caetano. Foi depois do 25 de Abril, quando se encontrava exilado em Londres após ter sido preso pelo Copcon e detido em Caxias, na sequência dos acontecimentos do 28 de Setembro, que Franco Nogueira começou a escrever uma biografia de Salazar, com base no acesso que teve aos arquivos pessoais deste durante o tempo em que Caetano estava no poder. Submetida ao título geral Salazar, com o subtítulo Estudo Biográfico, a obra estendeu-se por seis volumes, tendo o primeiro, A Mocidade e os Princípios, sido editado em 1977 (Franco Nogueira só regressaria a Portugal em 1981). No prefácio deste primeiro volume, escreve o embaixador, justificando o seu projecto biográfico: "São muitos os que exaltam Salazar, e muitos os que o apoucam: uns e outros não se libertam da visão apaixonada que em sentidos opostos deforma a mesma realidade. E estamos também perante um ser complexo. Para o interpretar com algum rigor, há que harmonizar contradições, resolver enigmas, sondar mistérios, transpor abismos psicológicos. Bem acima do comum, Salazar violentou as coordenadas habituais, rompeu os limites que cingem o homem médio: e para que o entendamos há que procurar esclarecer quanto no seu ser moral e mental nos aparece como incoercível, impenetrável, mesmo desumano." E, mais à frente, salienta ainda Franco Nogueira: "Depois da Revolução de 25 de Abril de 1974, gerou-se em Portugal um clima de ódio contra a figura histórica e humana de Oliveira Salazar. Não procuro negar a legitimidade dos motivos de quantos nutrem aquele sentimento. Decerto terão para tanto razões pessoais. É perfeitamente possível, aliás, formular reservas a muitos aspectos da obra de Salazar, e a traços da sua personalidade; e a quem possuir documentos que o permitam, e que eu desconheço, seria mesmo lícito condenar em bloco aquela obra e aquela personalidade. Mas o ódio é mau conselheiro e a paixão política parece ser, dentre todas as paixões, a que mais cega os homens."

6 volumes

Atlântida Editora

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG