Catalunha. Um ano depois dos atentados, os espanhóis sairam à rua

Um ano depois dos ataques terroristas reivindicados pelo autoproclamado Estado Islâmico em Barcelona e em Cambrils, Las Ramblas encheram-se de pessoas que quiserem prestar homenagem às 16 vítimas mortais. A 17 de agosto de 2017, um homem conduziu uma furgoneta contra quem passeava pela principal avenida de Barcelona. Horas mais tarde, os seus cinco cúmplices usaram o mesmo método na cidade de Cambris, Tarragona. Mataram 16 pessoas e feriram outras 136.

Rita Rato Nunes
Passado um ano dos atentados na Catalunha, os espanhóis sairam à rua para relembrar as 16 vítimas mortais  | foto EPA/Quique Garcia
Familiares de vítimas do ataque terrorista de Barcelona, a 17 de agosto de 2017  | foto REUTERS/Albert Salame
As pessoas que ficaram feridas durante o atentado e os respetivos familiares seguiram na primeira linha da cerimónia  | foto EPA/Quique Garcia
Familiares de vítimas dos ataques terroristas da Catalunha, junto ao mosáico do artista Joan Miró nas Ramblas de Barcelona  | foto EPA/Alejandro Garcia
Representantes políticos da região da Catalunha a prestar homenagem às vitimas do atentado  | foto EPA/Alejandro Garcia
Passado um ano dos atentados na Catalunha, os espanhóis sairam à rua para relembrar as 16 vítimas mortais  | foto EPA/Eric Fontcuberta
Rei de Espanha Filipe VI (à dir.) com o Presidente da região da Catalunha, Quim Torra (à esq.)  | foto EPA/Francisco Gomez
Rei de Espanha, Filipe VI, durante a cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos terroristas na Catalunha  | foto EPA/Eric Fontcuberta
Representantes políticos espanhóis durante a cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos terroristas na Catalunha  | foto EPA/Andreu Dalmau
Cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos terroristas na Catalunha  | foto REUTERS/Albert Salame
Rei de Espanha, Felipe VI (à esq.) a cumprimentar o representante da Arábia Saudita (à dir.), num panfleto encontrado nas Las Ramblas, Bareclona  | foto EPA/Alejandro Garcia
Membros do Comité de Defesa da República, o partido separatista mais à esquerda, manifestaram-se junto ao monumento a Colon, perto da cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos  | foto EPA/Susana Saez
Membros do Comité de Defesa da República, o partido separatista mais à esquerda, manifestaram-se junto ao monumento a Colon, perto da cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos  | foto EPA/Susana Saez
Membros do Comité de Defesa da República, o partido separatista mais à esquerda, manifestaram-se junto ao monumento a Colon, perto da cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos  | foto EPA/Susana Saez
Presidente da região da Cataluha, Quim Torra, lembra as 16 vítimas dos atentandos do ano passado  | foto EPA/Susana Saez
Cartaz pede a libertação dos presos políticos da Catalunha, perto lo local onde aconteceu a cerimónia dedicada à memória das 16 vítimas dos atentandos  | foto EPA/Alejandro Garcia
Cartaz com mensagem contra o rei espanhol, Felipe VI | foto REUTERS/Albert Salame