Marvila: A praça dos velhos armazéns que hoje está na moda

Nem David Leandro da Silva poderia prever, no século XIX, o futuro de Marvila. O antigo comerciante que dá hoje nome à rua – por muito ter contribuído para o desenvolvimento desta zona da cidade – viveu numa época em que Marvila era um dos grandes pólos industriais de Lisboa. Milhares de operários repartiam-se entre a Companhia Portuguesa de Fósforos, a Fábrica Militar de Munições e a Sociedade Nacional de Sabões, além de uma fábrica de açúcar, que terá inspirado a toponímia de outra rua. Ali foram criadas habitações operárias, numa altura em que chegaram os caminhos-de-ferro e até o […]

Para saber mais clique aqui: www.evasoes.pt

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.