Ver o que os outros não conseguem é tão fácil como ficar sentado

Andar de carro pode ser um verdadeiro tormento. Saímos de casa e apanhamos trânsito, encontramos percalços no caminho e ainda estradas em más condições. O que precisamos para fazer face a estas adversidades?

Uma condução segura depende sempre da nossa tranquilidade, mas a verdade é que muitas vezes é difícil mantê-la. Principalmente quando guiamos com os nossos filhos atrás e o toque da escola está prestes a dar, a estrada parece ter mil e um problemas e nós sem capacidade para resolvê-los.

Para evitar estes problemas a que chamamos de rotina, a Citroën pensou no C3 Aircross que, com uma altura ao solo maior, com os arcos das rodas mais alargados, as barras no tejadilho e proteções em plástico, quer à frente quer atrás, está preparado para praticamente tudo o que a vida nos possa trazer - sejam desafios ou momentos de alegria.

O Citroën C3 Aircross diz adeus à forma berlina, agora com um automóvel capaz de dar ao condutor uma grande visibilidade, um maior sentido de proteção, conforto e robustez. Perfeito para os mais pequenos e para os que gostam de antecipar os problemas.

Um automóvel capaz de transportar toda a família e ainda as malas que parecem nunca acabar, o C3 Aircross distingue-se pelo conforto dos bancos, graças aos seus assentos largos e generosos; o conforto das suspensões que oferecem uma viagem suave em todas as condições de circulação e o conforto sonoro, com um isolamento acústico cuidado.

Haverá algo mais completo do que um "cinco lugares" com um lugar espaçoso nas pernas e acima das cabeças e uma mala com um volume extensível para ir de férias? Para os sacos, merendas e ainda as compras que nos fazem andar carregados?

E porque nos dias de hoje a conectividade é um elemento essencial de conforto, o novo C3 Aircross, é um automóvel verdadeiramente à frente do seu tempo. Através da tecnologia Mirror Screen é possível fazer do ecrã tátil uma extensão do seu smartphone, que pode ser carregado sem fios por indução. Adicionalmente o Citroën Connect Nav disponibiliza informação em tempo real sobre o trânsito, localização e preço dos combustíveis ou sobre a meteorologia, para que possa desfrutar da sua viagem com total tranquilidade.

O Citroën C3 Aircross oferece também um tejadilho de abrir panorâmico com uma extensa área de superfície, em vidro, permitindo uma visibilidade de 360º aos condutores e um grande espaço de luminosidade. Luminosidade que será essencial para admirar as 8 cores disponível de carroçaria, as suas 3 cores de tejadilho e com cinco ambientes interiores, que vão permitir-lhe adaptar o seu novo automóvel às suas próprias características, que são únicasAdvertisement

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.