Um rolar leve que não se sente

Inovação sem precedentes e detalhes pensados ao pormenor transformam a condução numa experiência ímpar, onde o conforto e a facilidade se aliam de forma nunca antes imaginada. Conduzir nunca mais será a mesma coisa.

Dotado de uma personalidade única, de onde se destaca a condução suave, pautada pelo conforto extremo, o novo Citroën C4 Cactus facilmente nos transporta para outra dimensão. Conduzi-lo é uma experiência ímpar, saída de um conto de Aladino, tal a suavidade com que desliza sobre os mais variados pisos, graças ao efeito tapete voador fruto das inovadoras suspensões com batentes hidráulicos progressivos, que filtram e absorvem as deformações e pequenas irregularidades da estrada. Mais do que deslizar sobre o asfalto, a sensação, tanto para condutor como para passageiros, é a de voar - baixinho, é certo - sobre a estrada, tal a estabilidade e dinamismo excecionais. Uma sensação reforçada pelo Grip Control, um dispositivo de motricidade aperfeiçoado para uma polivalência de condução alargada a todos os caminhos, mesmo com neve, lama ou areia.

Para a suavidade de condução contribuem ainda os bancos Advanced Comfort, com ajustes reguláveis para completo bem-estar do condutor mesmo após largas horas ao volante.

Conforto acústico melhorado graças a um isolamento do piso, vidros espessos e juntas de portas superiores, e o tejadilho em vidro panorâmico de alta proteção aliam-se no C4 Cactus, para oferecer uma forma luxuosa de mobilidade agora largamente acessível a um vasto número de utilizadores.

Advertisement

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.