Um rolar leve que não se sente

Inovação sem precedentes e detalhes pensados ao pormenor transformam a condução numa experiência ímpar, onde o conforto e a facilidade se aliam de forma nunca antes imaginada. Conduzir nunca mais será a mesma coisa.

Dotado de uma personalidade única, de onde se destaca a condução suave, pautada pelo conforto extremo, o novo Citroën C4 Cactus facilmente nos transporta para outra dimensão. Conduzi-lo é uma experiência ímpar, saída de um conto de Aladino, tal a suavidade com que desliza sobre os mais variados pisos, graças ao efeito tapete voador fruto das inovadoras suspensões com batentes hidráulicos progressivos, que filtram e absorvem as deformações e pequenas irregularidades da estrada. Mais do que deslizar sobre o asfalto, a sensação, tanto para condutor como para passageiros, é a de voar - baixinho, é certo - sobre a estrada, tal a estabilidade e dinamismo excecionais. Uma sensação reforçada pelo Grip Control, um dispositivo de motricidade aperfeiçoado para uma polivalência de condução alargada a todos os caminhos, mesmo com neve, lama ou areia.

Para a suavidade de condução contribuem ainda os bancos Advanced Comfort, com ajustes reguláveis para completo bem-estar do condutor mesmo após largas horas ao volante.

Conforto acústico melhorado graças a um isolamento do piso, vidros espessos e juntas de portas superiores, e o tejadilho em vidro panorâmico de alta proteção aliam-se no C4 Cactus, para oferecer uma forma luxuosa de mobilidade agora largamente acessível a um vasto número de utilizadores.

Advertisement

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

As miúdas têm notas melhores. E depois, o que acontece?

Nos rankings das escolas há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.