Existe um carro que quase consegue prever o seu futuro - e assegura-se que seja um futuro seguro

Sistema de Controlo dos Angulos Mortos, Park Assist, Reconhecimento de Painéis de Velocidade e Recomendação e Active Safety Brake são algumas das ajudas à condução disponíveis no novo Citroën C3 Aircross, que asseguram que as nossas viagens têm sempre um final feliz.

Com sono e ansiosos por chegar a horas, entre mil pensamentos e preocupações, percorrer a cidade de carro todas as manhãs pode ser um verdadeiro desafio: especialmente naqueles dias em que o mundo parece empenhado em tornar o nosso percurso num campo minado de obstáculos. Mas com o novo C3 Aircross, que conta com 12 ajudas à condução, chegar ao trabalho descontraído nunca foi tão fácil.

É por isso que dizemos que este é um automóvel que conhece o nosso futuro: sabe que qualquer que seja o nosso destino, com o C3 Aircross chegamos sempre em segurança. O Head Up Display a Cores, por exemplo, é a garantia anti distrações: as informações essenciais à condução são projetadas a cores numa lâmina escamoteável, situada no campo de visão do condutor. Assim, não precisamos de tirar os olhos da estrada.

A tecnologia do Sistema de Controlo dos Ângulos Mortos é outra mais-valia disponível no C3 Aircross, pois assinala a presença de veículos em ângulos mortos, permitindo manobras mais seguras.

O sistema de Park Assist torna o novo C3 Aircross prático para a vida diária e fácil de estacionar, graças à câmara Top Rear Vision, e aos sensores de marcha-atrás. Esta tecnologia contribui para simplificar e acompanhar as manobras de estacionamento tanto longitudinal, como perpendicular ou em espinha.

A Comutação Automática de Luzes de Estrada é responsável pela permutação das luzes de estrada e das luzes de cruzamento em função do tráfego, quando são detetados veículos. A condução nocturna é mais segura e permite ao condutor concentrar-se principalmente na condução.

O Reconhecimento dos Painéis de Velocidade é outra das muito úteis ajudas à condução do C3 Aircross, que permite a este compact SUV adaptar a velocidade em função das informações captadas pela câmara. Exibe continuamente a limitação de velocidade em curso.

Por fim, destaca-se ainda a tecnologia Active Safety Brake: a câmara multifunções, situada na parte superior do para-brisas, deteta obstáculos, como um veículo em movimento no mesmo sentido de circulação ou parado. A partir de 5 km/h até 85 km/h, o sensor aciona a travagem automaticamente quando se verifica um risco de colisão.Advertisement

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.