Uma casa temporária que é uma família

No Centro de Acolhimento Temporário Santa Joana, 30 crianças tentam seguir as suas rotinas à espera de poderem voltar para as suas famílias ou de encontrarem uma nova casa.

Andreia Varão faz as honras da casa onde trabalha, mostrando os quartos, a sala, a cozinha e o gabinete das técnicas. Pela mão traz um dos pequenos habitantes do centro. Cada uma das crianças que aqui vive vê os técnicos do Centro de Acolhimento Temporário Santa Joana, da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, como alguém da família e criam-se quase sempre ligações especiais. "Eles escolhem quem lhes dá banho, de comer e quem os veste. É uma rotina de casa, de família. O nosso dia é um dia de família, claro que é de uma família muito alargada", começa por descrever a educadora de infância. Começa logo pelas diferenças de idades entre os acolhidos: dos três meses aos 20 anos.

E há momentos de tristeza e momentos "hilariantes", mas poucos tão bons como o do adeus, "quando o projeto de vida nos é muito certo", conta. "Vai, sê feliz!"

A casa tenta o mais possível parecer uma casa de família, sem as rotinas normais de uma creche. As mesas são do tamanho normal, as casas de banho não têm minissanitas ou minilavatórios. "Queremos que eles encontrem um ambiente mais de casa possível", sublinha o diretor, Filipe Saramago. O objetivo é que estes espaços deixem de existir, não apenas porque o ideal é não existirem bebés e crianças em situações de risco, mas também porque a resposta mais adequada é o acolhimento temporário em famílias, explica. Mas o técnico sabe que até esse momento têm de garantir que todas as crianças que por aqui passam sintam que não estão institucionalizadas.

Assim, os educadores tentam que cada uma destas crianças mantenha as rotinas que tinha ou que teria se estivesse com a família. Cada um deles frequenta a escola que melhor serve o seu projeto de vida, e por isso não andam todos nas escolas da freguesia de Alvalade, onde se situa o centro. Também frequentam as creches e jardins-de-infância que melhor se podem enquadrar na rotina futura. Têm atividades extracurriculares como o ballet ou o futebol. Tudo isto obriga a uma grande preparação por parte das educadoras. "Temos a nossa semana toda programada e aproveitamos o tempo que eles estão na escola para organizarmos tudo, de forma a que quando estamos a levar uma criança à escola, estamos a viver o momento com ela", explica Andreia Varão.

Já para um bebé, a normalização das rotinas pode ser "sair com alguém da casa para ir ao mercado, ir comprar qualquer coisa à mercearia, para ir experienciando o mundo, o que não eram hábitos das instituições", exemplifica Filipe Saramago.

Das rotinas à intervenção

Uma grande parte do trabalho dos técnicos é manter as rotinas destas crianças que por algum motivo - negligência, maus-tratos ou falta de condições - foram temporária ou definitivamente retiradas à família biológica. Outra parte do trabalho é a intervenção com os menores e com as famílias.

Para todos "há soluções de alfaiate e não de pronto-a-vestir. Ou seja, uma intervenção para cada uma das crianças e para cada família", defende o diretor do centro.

No caso dos menores passa por conhecer as necessidade de cada um e estabelecer relações individualizadas. "Não são situações muito fáceis e, por vezes, isso gera comportamentos mais desorganizados, situações em que as crianças estão em sofrimento e em que nós temos de ser aqui muito contentores dessas emoções, temos de ser capazes de ir contendo essa angústia, essa zanga - com idades tão precoces muitas vezes não sabem expressar por palavras aquilo que estão a sentir. Nós temos de saber ler esses sinais. Temos de estar disponíveis para acolher e conseguir transformar essa angústia em algo que as fortaleça", resume Andreia Varão.

Depois há o trabalho com as famílias. "A partir do momento em que chega uma criança, aquilo que fazemos é o primeiro diagnóstico, com a família, sobre a situação que conduziu a criança ao acolhimento. Depois é estabelecer um plano de intervenção com a criança, mas também para a família. Ver quais é que são as fragilidades que, em conjunto, formos identificando e encontrar estratégias", aponta Filipe Saramago. Por isso, o tempo de acolhimento e de intervenção nunca é fechado.

Na maioria dos casos, os técnicos trabalham com pais que já vêm de contextos difíceis e enfrentaram imensas dificuldades enquanto cresciam. "São problemas que vão acontecendo ao longo de gerações, com pais que já tiveram dinâmicas relacionais muito difíceis, passaram por carências económicas, mas também sem a experiência de os seus pais lhes darem a supervisão, a educação que seria necessária e capacidade de gerir dificuldades no seio da família. Por isso temos aqui miúdos que são fruto dessa transgeracionalidade, seja em questões ligadas aos maus-tratos seja a questões mais ligadas ao que se chama de negligência." A intervenção passa por capacitar estes pais para cumprirem o seu papel, através de uma relação de confiança com as famílias, que "nem sempre é fácil" e que "leva o seu tempo".

Mudar estas respostas sociais

O acolhimento temporário é uma resposta de emergência para crianças em risco. Só nas 19 casas de acolhimento da Santa Casa foram recebidas, em 2017, 462 crianças. A de Santa Joana tem 30, mas todos esperam que esta realidade tenha os dias contados. "É suposto que miúdos desta idade não estejam em instituições e há respostas previstas na lei de acolhimento familiar, que são soluções que estão para avançar. Não faz sentido que tenhamos miúdos que muitas vezes vêm diretamente da maternidade, não faz sentido que estejamos aqui a quebrar a possibilidade de haver uma atenção mais individualizada do que nós, infelizmente, numa instituição, por muito que queiramos, não conseguimos dar, nem que seja por as pessoas trabalharem por turnos", aponta o diretor do Centro de Santa Joana.

Filipe Saramago acredita que no futuro estas instituições vão trabalhar "com casos de maior complexidade, o acolhimento mais especializado, miúdos com outro tipo de perturbações, com outro tipo de dificuldades às quais as famílias de acolhimento não consigam dar resposta" - ao mesmo tempo que trabalharão "mais próximo da comunidade em projetos de prevenção".

Exclusivos