Esta marcha é diferente mas também é linda

Pelo segundo consecutivo, utentes e funcionários da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa vão descer a Avenida da Liberdade durante o desfile das marchas de Santo António

Todos os dias há ensaios para a marcha da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML). Durante dois meses, utentes e funcionários encontram-se no Pavilhão de Campolide para treinar ao pormenor os passos e a coreografia organizada por Paulo Jesus.

"Tenho uma vontade gigante de vir todos os dias de manhã trabalhar com estes meninos que vocês viram - são os meus meninos. De facto é um prazer gigante sentir que eles se levantam muito cedo para virem para aqui e às vezes muito cansados mas cheios de vontade. Isso para mim é uma alegria gigante", conta o ensaiador.

Para alguns é o primeiro ano a marchar. É o caso de Maria Aldora Quadrado de 79 anos que, depois de muito recusar, agora conta as horas para o ensaio da marcha. "Pediram-me para vir para as marchas mas eu dizia sempre que não porque eu nunca andei nisto. Mas depois como faltava gente e as pessoas amigas a convencerem-me e cá estou. E estou muito satisfeita, gosto muito", admite.

Na hora do ensaio, não há dores nem angustias, não se pensa em mais nada. "Fica tudo esquecido, de modo que nem dores nem nada disso", confirma Maria Aldora Quadrado.

Já Manuela Farinha vai descer a Avenida da Liberdade pela segunda vez. Aos 72 anos descobriu uma nova forma de fazer amigos. "É bom para as pessoas já com uma certa idade terem esta atividade, a camaradagem, a amizade, novos conhecimentos, é bom para o cérebro".

Cézar Freire tomou o gosto pelas marchas no ano passado. "Aquilo é uma coisa à parte. Aquilo é um mundo". Aos 59 anos, garante que para o ano voltará a repetir a brincadeira. "Para o ano estou cá outra vez. Quem está fora da marcha não sabe o que é".

Depois de a marcha passar o contacto com os colegas fica. "Nós continuamos a falar, por telefone, pelo Facebook. E quando os juntamos é uma alegria", confessa Cézar Freire.

ÀS 52 pessoas que vão descer a Avenida da Liberdade na noite de Santo António juntam-se o ator Ricardo Carriço e a apresentadora Maria Botelho Moniz, padrinhos da marcha da SCML.

O ensaiador Paulo Jesus quer promover o melhor ambiente durante os ensaios para que os marchantes se sintam bem integrados. "Eu estou sempre a pedir boa disposição e a pedir para mostrar os dentes para eles terem momentos de distração", explica. António juntam-se o ator Ricardo Carriço e a apresentadora Maria Botelho Moniz, padrinhos da marcha.

É o segundo ano que a SCML participa no desfile das Marchas Populares de Lisboa mas o nervosismo já começa a dar sinais. O ensaiador conta que "eles ficam elétricos" porque é a primeira vez que muitos dos utentes participam numa marcha de Santo António. Paulo Jesus explica que há muito contacto direto com o público durante a descida da avenida. "Aí saí mesmo das tripas, vem mesmo de dentro. Até cantam alguns que não sabem a letra".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.