5 dicas para ir de férias descansado

Quando chega o momento das férias, queremos relaxar, não ter preocupações. Mas, antes de rumar ao descanso, há cuidados importantes que deve ter em conta.

Nas férias, a sua casa e os seus bens ficam nas mãos do acaso. Sabemos que as redes sociais fazem parte do tempo em que vivemos. Comunicamos constantemente através delas mas, por vezes, ter algumas restrições na maneira como nos expomos online pode fazer a diferença no que toca à nossa segurança.

1. Anunciar que vai ausentar-se
É essencial que não diga aos sete ventos que vai de férias. Esta informação nas redes sociais pode funcionar como pré-aviso para quem tem a intenção de executar um assalto a uma habitação - que pode passar a ser a sua. Não se esqueça de alertar os seus amigos para este mesmo aspeto e, assim, evitará que comentários relativos à sua ausência prolongada apareçam na sua página pessoal. Lembre-se de que a informação pode chegar à pessoa errada. Mesmo que tenha por hábito só adicionar pessoas amigas, os perfis podem ser invadidos, ou a informação pode chegar facilmente a terceiros, e, eventualmente, colocar a sua casa e bens em risco.

2. Reservas online
Se fizer reservas online, certifique-se de que está nos sites oficiais de reserva. Existem inúmeros sites cujo layout é apenas uma imitação. Na dúvida, comece sempre a sua navegação a partir da página inicial do site que conhece. Além disso, se a página tiver um cadeado exibido na barra de endereço, sabe que está seguro.

3. Publicar fotos e vídeos
Publicar fotos e vídeos dos locais paradisíacos que visitamos pode ser uma partilha divertida. Porém, está também a dar azo para que um leque vasto de pessoas saiba onde está, se está ou não sozinho, ou mesmo o seu nível económico - entre outras informações que podem usar a seu desfavor . É particularmente importante que não fotografe o seu cartão de embarque. Através da partilha desta informação, está a facilitar o acesso à sua conta de cliente, podendo originar eventuais alterações da sua informação pessoal, dos códigos PIN, ou até mesmo, a alteração de detalhes de voo.

4. Pin dos cartões
Por vezes, em férias, usamos cartões novos ou pouco habituais, aqueles que guardamos para ocasiões especiais, por exemplo. Mesmo nestes casos, memorize o código pin do cartão em questão, não caia no erro de escrever o pin numa nota no telemóvel ou num outro suporte fácil de aceder. Na sua cabeça é que o segredo está melhor guardado.

5. Ter um plano de viagem no telemóvel
Outra ideia menos boa, é ter no telemóvel informação demasiado detalhada da sua viagem, do locais e pessoas que pretende visitar. Lembre-se que, caso perca o seu smartphone ou até mesmo se lhe for roubado, esta informação arrisca-se a cair nas mãos erradas e ser usada para fins indevidos.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?