Já alguma vez pensou como vão ser as férias no futuro?

Pois... nós já. O futuro avança a olhos vistos, alterando a nossa sociedade, renovando a forma como vivemos. Inevitavelmente, também os momentos de descanso irão mudar: haverá mais destinos para conhecer e atividades surpreendentes para o entreter e em alguns deles, não vai precisar de sair de casa.

Aproximam-se os hotéis nómadas, que mudam de lugar no final de uma temporada turística, e os fascinantes hotéis aquáticos que lhe vão proporcionar uma das suas férias mais entusiasmantes. Vai poder estar na piscina do hotel ao mesmo tempo que vê golfinhos a passar e degustar a sua comida preferida enquanto, quem sabe, um enorme tubarão branco lhe sorri, mostrando-lhe os belos e afiados dentes. Mas não precisa de se assustar, não está no mar de Jaws - o futuro vai colocar-nos em frente ao nosso maior medo sem sentirmos sequer receio.

Há mesmo previsões para que, futuramente, rumemos até ilhas no espaço, para usufruir de uns agradáveis e galácticos dias de férias. Já imaginou o que seria estar deitado numa espreguiçadeira, no seu quarto de hotel futurista, a assistir a uma chuva de estrelas ou a uma impactante aurora boreal?

E o que seria ver a sua banda preferida atuar com o universo como paisagem? E se um dos serviços do seu hotel incluísse um tour pela vastidão do espaço? Pode parecer muito distante, mas, na verdade, Hans Jurgen Rombaut afirma que o projeto de um hotel lunar deve estar pronto até 2050. Não falta assim tanto!

Provavelmente, até lá, já poderá atenuar a espera com um robot de companhia a tratar de si dos pés à cabeça, cortando-lhe o cabelo, massajando-lhe as costas, enquanto lhe serve um cocktail de verão. Munido da mais alta inteligência artificial, terá sempre companhia, cuidados dignos de spa e o almoço e jantar de que mais gosta, às horas que bem entender.

Como vê, o futuro traz regalias e proporciona, no conforto do seu lar, as viagens mais excitantes. Em breve, as viagens poderão limitar-se à sua sala e a uma realidade virtual que sentirá ao máximo, com todos os sentidos acesos. Colocando uns óculos e, porventura, um fato especial, poderá ser rapidamente transportado para ambientes virtuais ou jogos cibernéticos que o vão fazer sentir como se estivesse num outro lugar - decerto que o difícil será conseguir escolher o que mais gosta! Poderá experimentar tudo aquilo que não pode concretizar na realidade, tal como a conhece, e viver aventuras desafiantes e momentos de extrema adrenalina na segurança da sua própria casa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.