Acha mesmo que debaixo do colchão os seus valores estão seguros?

Tempos houve em que o colchão era o melhor esconderijo para guardar os nossos mais preciosos valores - a salvo não só de ladrões como de crianças curiosas e traquinas. Mas hoje em dia há soluções mais seguras (e práticas).

Quem não se lembra de ver os pais ou os avós a guardar diligentemente os colares e pulseiras de ouro e prata, lembranças dos nossos batizados, em pequenos sacos espalmados debaixo do colchão? Era assim que, antigamente, se garantia a segurança de valores com o mesmo peso a nível financeiro como emocional.

Mas tendo em conta que, naquele tempo, o esconderijo era o mesmo em todas as casas, como é que os nossos pais e avós podiam ter a certeza que aquele era um lugar adequado, protegido da cobiça alheia? A verdade é que não tinham outra alternativa - e felizmente, nós já temos.

Hoje em dia já existe outra forma de proteger objetos de valor: o novo serviço de cofre monitorizado. Ligado ao sistema de alarme da casa, o cofre dispõe de uma tecnologia avançada que deteta a abertura ou fecho da porta, assim como possíveis tentativas de sabotagem. Em caso de assalto real, o cofre possui um dispositivo que deteta assim que o mesmo é comprometido, e envia de imediato um sinal para a Central de Segurança. Logo de seguida, é ativada uma operativa de resposta por parte da equipa de segurança, com envio de um vigilante e aviso à Polícia.

Estes cofres têm ainda a vantagem de incluírem um duplo código para ativação e desativação, uma fechadura eletrónica avançada "de uso fácil" com sistema de bloqueio de alta segurança e anti sabotagem, luz LED para melhor visibilidade do interior e, em caso de esquecimento do código, o cofre vem equipado com uma fechadura de emergência com chaves - facilidades que não encontramos debaixo do colchão.

Razões não faltam para deixar a tradição de guardar os objetos de valor debaixo do colchão e investir num cofre monitorizado. Pode sempre tentar colocar uma placa no colchão indicando que está 24h protegido e que inclui um equipamento que regista vídeo em caso de tentativa de assalto - mas provavelmente não terá o mesmo impacto que um verdadeiro cofre.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?