Ana Gomes traz a world music ao Palco do Diário de Notícias

A artista atua no sábado, às 19:00. Traz smooth jazz à Praça do Município apesar de ter crescido a cantar fado.

O Diário de Notícias despede-se este dia de Reis da Praça do Município, onde esteve desde o início de dezembro com o evento Histórias de Natal DN/Kia, com um debate sobre robótica e inteligência artificial e dois concertos: de Ana Gomes, no sábado, e da Academia de Música de Telheiras, no domingo. É a última oportunidade para visitar o Mercado de Natal, a Casa do Pai Natal e assistir à animação constante da praça mesmo em frente aos Paços do Concelho.

Ana Gomes, a artista de world music nascida em Braga, atua no sábado, às 19:00. Traz smooth jazz ao palco DN, apesar de ter crescido a cantar fado. "Fui descoberta pelo meu professor de música da escola primária que era também compositor de músicas infantis", conta. Foi com canções deste professor que concorreu a festivais de música infantil como o Bravo Bravíssimo.

"Cantava fado canção, até que tive aulas de bossa nova e de canto lírico em simultâneo", explica. Influências distintas que a inspiraram para dois álbuns diferentes - o primeiro de 2014, e o último com data de 2016 "Balanço" com composições de Tozé Brito.

O dueto com o "padrinho" Tozé de Brito
O músico escolheu a artista para fazer parte do seu álbum comemorativo dos 50 anos de carreira, disco lançado em 2018. "Fiquei muito feliz por ter sido convidada para um dueto no disco de Tozé de Brito, porque não foram muitos os artistas escolhidos", contou Ana Gomes, que é também terapeuta musical. "Fiz o curso de Educação, mas o meu Mestrado está relacionado com terapia através da música, mas esta seria uma outra entrevista...", disse a cantora.

Após o lançamento de "Balanço" - as músicas que traz este sábado à Praça do Município - a artista fez uma paragem na carreira. "Fiquei grávida e durante 2017 estive longe dos palcos. Estou de regresso e já a preparar um novo single", revelou.

Para trás ficam atuações nos palcos EDP COOL JAZZ e Standard Jazz de Copenhaga, onde a artista - que só canta em português - demonstrou que a linguagem da música é verdadeiramente universal.

"Fiquei muito surpreendida com a reação do público dinamarquês", descreveu. O concerto é este sábado, ao final da tarde. No dia seguinte, domingo, às 19h00, será a vez da atuação do Coro da Academia de Música de Telheiras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.