Vinhos: anote estes oito trunfos da região do Dão

Carlos Lucas conhece bem o Dão e tem décadas de experiência enquanto enólogo de projetos diversos, alguns de relevância histórica. Chega agora o momento de partilhar os seus vinhos topos de gama.

Conhecemo-lo de tempos bem recuados, no projeto da Quinta de Cabriz, em Carregal do Sal, e acompanhamo-lo de perto no imenso contínuo de projetos e vinhos bem-sucedidos de qualidade distintiva. Carlos Lucas está como peixe na água em brancos, tintos, generosos e espumantes, e tem deixado a sua marca um pouco por todo o país vinícola. Fundou a Magnum Vinhos, em Oliveira do Conde, e paulatinamente, na nova adega e em vinhedos da sua eleição, construiu marcas que são já referências incontornáveis. Ribeiro Santo é a principal, a que se juntou a Quinta da Alameda.

O momento esperado com ansiedade por muitos aconteceu, e aí estão os topos de gama do Dão de Carlos Lucas, que tivemos o privilégio de provar. Vinhos de muito pequena tiragem - o que é bom e é raro -, o que se reflecte nos preços de venda ao público, mas inteiramente ajustado à originalidade e nível alcançado. Boas provas!

Percorra a fotogaleria para saber mais sobre estes vinhos.

Fonte: Evasões

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.