Crítica de vinhos: o triunvirato de luxo da Blandy's

A Blandy"s acaba de adicionar três novos vinhos da Madeira ao seu portfólio, todos na fasquia superior de qualidade. Trata-se do Colheita Verdelho 2000 e de dois Vintages, Sercial 1968 e Bual 1957. Lançamento de truz, aproveitando o crescendo na procura.

O vinho da Madeira está ao rubro, com as atenções do mundo enófilo inteiro voltadas para o produto que mesmo em Portugal nunca foi popular. Existe em receituário tradicional inglês e francês, especialmente molhos e terrinas, herança dos tempos idos da venda a granel. A partir do momento em que o engarrafamento entrou na ordem do dia a procura por colheitas e castas especiais intensificou-se, um pouco à semelhança do que aconteceu com o vinho do Porto.

A Blandy"s vai já na sétima geração, com Christopher Blandy à frente dos destinos da casa que é a última de cariz familiar a operar no vinho da Madeira. Conta com Francisco Albuquerque na direcção técnica e enológica e juntos têm operado o que se pode chamar revolução tranquila, modernizando a componente industrial e consolidando marcas mais afinadas para o consumidor. O vinho Madeira é fortificado com álcool vínico que é introduzido quando a fermentação alcoólica dos mostos está a decorrer e é isso que faz com que a bebida resultante tenha álcool e açúcar significativos.

A acidez é outro factor notável dos Madeira, fazendo com que evolua muito lentamente e por muito tempo. O lançamento dos três novos vinhos distingue as castas nobres verdelho, sercial e bual, a que haveria que juntar a Malvasia e a Terrantez para completar o leque. O que a empresa tem feito com a Tinta Negra é notável e já a elevou a um grande patamar de qualidade, a preços acessíveis. Aí estão para já três vinhos coleccionáveis e eternos. Boas provas!

Fonte: Evasões

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.