Crítica de vinhos: cinco vinhos distintos da Cartuxa

Mantém-se viva a assinatura monacal da Cartuxa, de que vamos conhecendo e acompanhando novas frentes. Vinhos preparados para o calor, cozinha aligeirada e para saborear de forma simples e direta nos fins de tarde.

A Fundação Eugénio de Almeida inaugurou há pouco mais de um ano a nova Adega da Cartuxa, a um tempo marca de proa e projeto central de grande carisma, junto a Évora. A regra religiosa de São Bruno, religioso alemão do séc. XI, continua a motivar novas vocações pelo mundo fora e Portugal não é exceção. A cartuxa de Santa Maria de Scala Coeli - escada do céu - continua a albergar frades que vivem segundo a que é considerada a mais recolhida das clausuras. São, grosso modo, eremitas que vivem em comunidade, e o trabalho da terra é uma das atribuições importantes, incluindo a vinha e o vinho.

A empresa em si exporta já mais de metade do que produz, e conta com marcas como Pêra-Manca, Scala Coeli e Cartuxa no seu portfólio, pelo que o cariz industrial é dominante e não envolve os religiosos na produção dos seus vinhos. É antes uma forma especial de funcionar, com o enólogo Pedro Baptista aos comandos do grande e sofisticado parque de cubas, lagares e barricas que elencam a unidade de produção.

O gigantismo da produção não impede que a atenção ao pormenor seja grande, mesmo nos vinhos de maior tiragem, caso da marca de entrada de gama EA. O espumante produzido segundo o método champanhês é um dos produtos em franca ascensão de vendas, confirmando a lógica mundial de procura crescente de espumantes. A marca Scala Coeli está a afirmar-se com força semelhante à própria Pêra-Manca, com a vantagem da liberdade criativa que comporta, permitindo definir os melhores lotes e castas em cada colheita. A que apresentamos é cem por cento alicante bouschet, por ter sido para a casa a mais expressiva dentre as que medram nas vinhas da Cartuxa. A linha EA merece atenção especial, por ter atingido um patamar notável de qualidade, face ao preço. E alimenta a alma, imperativo, de resto, deste lugar tão especial.

Diversidade de estilos
Os cinco vinhos que selecionámos não podiam ser mais diferentes entre si. Um espumante branco, um branco e um rosé de entrada de gama, um branco de truz de pergaminhos confirmados e o tinto Scala Coeli que vai direito ao coração. Boas provas!

Percorra a fotogaleria de imagens acima clicando sobre as setas.

Fonte: Evasões

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.