Crítica de vinhos: a maturidade da Quinta de S. José no Douro

Com um porto vintage que fala por si, brancos minerais e de boa cepa, tintos que trazem o mapa do Douro dentro, é mais do que altura de passar carta de alforria aos vinhos da Quinta de S. José, do magnético casal João Brito e Cunha e Sofia Prazeres, eles próprios a cumprir por estes dias 18 anos de casados.

Fica na margem esquerda do Douro quando ele se aproxima da excelsa interseção com o rio Pinhão, a Quinta de S. José, fantasia tornada realidade por insistência e paixão de João Brito e Cunha - enólogo que transporta o código genético de cinco gerações de produtores durienses. Descendente da célebre Dona Antónia Adelaide Ferreira, não é fácil mudar-lhe o pensamento quando tem a certeza do que está a fazer e nesta caso tinha. Ainda bem, dizemos nós, porque o portfólio vínico que apresenta é de nível considerável, pois além de passado tem futuro.

Dois brancos de estilos muito diferentes, um tinto de entrada de gama que satisfaz bem, um reserva que adora a boa mesa e um touriga nacional de enorme talante enológico, por ter a boa concentração que o Douro oferece e por ter renunciado ao excesso de extração, resultando num exemplar da casta de rara elegância. O Grande Reserva é transcendental, só podia ter sido feito por mãos sábias. E João Brito e Cunha mostra hoje uma segurança grande no que faz, há mais um grande tinto do Douro para acompanhar de perto a partir de agora. Um trabalho perfeito. Parabéns, João e Sofia. Licença total para criar.

Fonte: Evasões

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.