Clube de Vinhos DN: Pack Prova de Vinhos em Casa

Junte os seus amigos e familiares em casa, e aprendam a saborear os detalhes mais minuciosos da nossa vinicultura Portuguesa.

O nosso crítico preparou este pack para o aventureiro à procura de se entranhar no mundo das provas de vinhos. Junte os seus amigos em casa, e aprendam a saborear os detalhes mais minuciosos da nossa vinicultura Portuguesa. Incluímos neste pack 6 garrafas idiossincráticas que lhe irá garantir uma soirée inesquecível.

Contacto Alvarinho DOC Vinho Verde branco 2017 | Anselmo Mendes
Aprecia-se neste vinho o lado tropical da casta Alvarinho proveniente das cotas mais baixas, solos de aluvião e pedra rolada. É uma faceta copiosa da que é uma das melhores castas brancas nacionais, em contraponto com a que se obtém das vinhas de encosta, salina, mineral e fresca. Aqui está uma perspectiva interessante para entrar no mundo fabuloso do Alvarinho.

Soalheiro Alvarinho Primeiras Vinhas DOC Vinho Verde branco 2017 | Soalheiro
Provém das vinhas velhas da Quinta de Soalheiro, com mais de 40 anos, daí o nome. O sistema radicular fixou-se no granito e a fruta dá vinhos de antologia, frescos e equilibrados. Há impressões salinas de boca que se impõem, elevando a prova a um nível superior. Importa criar critério para identificar a proveniência às cegas. É mais fácil do que parece,

Aneto DOC Douro tinto 2013 | Sobredos
Touriga franca, Touriga Nacional e Tinta Roriz são três castas frequentes num vinho duriense, neste vinho a mostrar-se particularmente bem integradas. Frescura exemplar, resultado do trabalho de excelência a que Francisco Montenegro nos habituou. Simplicidade que demonstra a enorme riqueza de que o vale vinhateiro do Douro é capaz.

Quinta dos Murças Minas DOC Douro tinto 2016 | Esporão
É o projecto do Esporão no Douro e começou pela análise crítica e profunda dos micro-terroirs da grande propriedade que dá para o rio no início do Cima Corgo. Este Minas é um dos mais expressivos e é composto por Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Francisca, Tinta Roriz e Tinto Cão. Deve apreciar-se a força aliada à elegância proporcionada pelos solos xistosos exemplares.

Pêra-Grave regional alentejano tinto 2015 | Quinta de S. José de Peramanca
As vinhas estão junto a Évora, num lugar repleto de história que é de visitar. Este vinho é um lote de Cabernet Sauvignon, Aragonês, Syrah e Alicante Bouschet, no qual encontramos a suavidade e corpo típicos do Alentejo, com o acréscimo da complexidade. Flexível à mesa, facilmente fica entre os eleitos de quem o prova pela primeira vez.

Volte-Face Reserva regional alentejano tinto 2015 | Volte-face
É um vinho de autor, criação de Teresa Metelo Dias, que acrescentou o ofício de enologia ao seu brilhante trabalho enquanto psicóloga. A base é Syrah e Alicante Bouschet, com o cuidado da extracção contida, pelo que resultou num vinho sedutor e capaz de enfrentar os maiores desafios gastronómicos. Está pronto a beber, mas beneficia com alguma guarda em garrafeira.

Um pack de 6 garrafas:

1x Contacto Alvarinho DOC Vinho Verde branco 2017 | Anselmo Mendes
1x Soalheiro Alvarinho Primeiras Vinhas DOC Vinho Verde branco 2017
1x Aneto DOC Douro tinto 2013 | Aneto
1x Quinta dos Murças Minas DOC Douro tinto 2016 | Esporão
1x Pêra-Grave regional alentejano tinto 2015 | Quinta de S. José de Peramanca
1x Volte-Face Reserva regional alentejano tinto 2015 | Volte-face

Adquira já o seu Pack Prova de Vinhos em Casa no Clube de Vinhos DN, com Portes Grátis e Entregas em até 72h com parceria com a Garrafeira Nacional

Clique aqui para saber mais

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.