Clube de Vinhos DN: Pack Monocasta

O Diário de Notícias fez este pack especialmente para si. Escolhemos 3 vinhos, cada um de uma região vitivinícola diferente, com o intuito de dar a conhecer aos nossos leitores o melhor da casta Syrah. Das margens do rio Douro até ao nosso vinhedo Alentejano, fique atento a esta oferta.

Monte da Peceguina Syrah regional alentejano tinto 2015 | Herdade da Malhadinha Nova
Vinho sedutor, com notas especiadas, de chocolate e florais, criando uma atmosfera de prova prazerosa. Provém de um local bem escolhido das vinhas de Albernôa, onde a herdade está implantada, e a frescura é a impressão que perdura na memória, mesmo neste Alentejo que consegue ser muito quente no Verão e na altura das vindimas.

Quinta do Noval Labrador Syrah DOC Douro tinto 2015 | Quinta do Noval
Este vinho é um dos mais notáveis casos de adaptação de uma casta a um terroir. Nos vinhedos míticos da Quinta do Noval, os ensaios com a casta-emblema do vale do Ródano foram dando os resultados consistentes de que a enologia da casa precisava para a adoptar. O resultado aqui está, com uma elegância notável, floral muito intenso.

Quinta da Boa Esperança Syrah regional Lisboa tinto 2015 | Quinta da Boa Esperança
Trata-se de um projecto muito recente e que já está a dar brado, junto à Zibreira. Solos argilo-calcáreos com forte influência atlântica, muito da preferência da casta Syrah. Há notas de ameixa preta confitada, com um fundo de tapenade de azeitona que aproxima o vinho do património clássico. Diferente do usual.

Um pack de 6 garrafas:

2x Monte da Peceguina Syrah regional alentejano tinto 2015 | Malhadinha Nova
2x Quinta do Noval Labrador Syrah DOC Douro tinto 2015 | Quinta do Noval
2x Quinta da Boa Esperança Syrah regional Lisboa tinto 2015 | Qntª da Boa Esperança

Adquira já o seu Pack Monocasta no Clube de Vinhos DN, com Portes Grátis e Entregas em até 72h com parceria com a Garrafeira Nacional

Clique aqui para saber mais

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.