Clube de Vinhos DN: Pack Descoberta

É quando já conhecemos uma região que queremos saber mais e ser surpreendidos. Os vinhos verdes encerram verdadeiras pérolas que vão muito além do fácil e básico, a mão segura de um dos melhores enólogos da região vai levá-lo por caminho seguro, um tinto do Douro de que nunca tinha ouvido falar e o veludo alentejano em forma de vinho tinto vão colocá-lo de novo na casa de partida.

Muros Antigos Loureiro DOC Vinho Verde branco 2016 | Anselmo Mendes
A casta Loureiro está ainda por descobrir pelos portugueses e não há melhor iniciação que um vinho feito por um dos grandes mestres da região dos vinhos verdes, Anselmo Mendes. O ambiente geral de prova é cítrico e floral, com laivos suaves de frutos secos. Harmoniza bem com peixes fumados e grelhados.

Post Scriptum DOC Douro tinto 2016 | Prats e Symington
Pode considerar-se o segundo vinho do famoso Chryseia, consagrado pela crítica e aclamado pela maioria dos produtores durienses, mas na verdade trata-se de um vinho com identidade própria, feito pela mesma equipa enológica. Composto na maioria por Touriga Nacional, tem ainda Touriga Franca e Tinta Roriz. Está pronto a beber mas vai beneficiar de algum tempo na garrafeira.

Paulo Laureano Vinhas Velhas regional alentejano tinto 2016 | Paulo Laureano
Aragonez, Trincadeira e Alicante Bouschet são as castas componentes deste vinho único, expressão directa e cuidada de um terroir delicado e mineral. Notas de ameixa madura na boca, marcada também por uma frescura invulgar num tinto alentejano. Pratos de festa como feijoadas ou cozidos irão bem com este vinho.

Um pack de 6 garrafas:

2x Muros Antigos Loureiro DOC Vinho Verde branco 2016 | Anselmo Mendes
2x Post Scriptum DOC Douro tinto 2016 | Prats e Symington
2x Paulo Laureano Vinhas Velhas regional alentejano tinto 2016 | Paulo Laureano

Adquira já o seu Pack Descobertas no Clube de Vinhos DN, com Portes Grátis e Entregas em até 72h com parceria com a Garrafeira Nacional

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.