10 vinhos perfeitos para um churrasco de carne grelhada

Liberte-se da tirania do medo e ouse montar o seu próprio lume, de forma natural, como se a sua infância se tivesse passado na pampa argentina. É tudo uma questão de método e disciplina. E, claro, de ter os vinhos certos consigo.

Não se admire se no final de um churrasco fizer as contas e chegar à conclusão de que comeu mais de meio quilo de carne. É que a empreitada é gulosa e a diversidade de cortes que é levada à grelha explicam quase tudo. Acontece o desejável estendimento no tempo e, se as brasas tiverem sido preparadas a preceito, corre tudo ligeirinho, suculento e natural.

Para melhor se controlar o processo - que nada tem de fácil -, há que considerar três tipos de transmissão de calor quando as carnes repousam nas grelhas sobre as brasas. Em primeiro lugar, está o calor irradiado pelas brasas e que é o mais forte de todos; depois, a convecção de ar quente que no processo envolve a carne; e finalmente, a condução de calor da superfície para o interior das peças.

Com a cozedura - que se dá com a transmissão continuada de calor do exterior para o interior da carne -, há uma libertação da água contida nas fibras para os espaços intersticiais. O resultado ideal consegue-se quando se grelha até ao ponto ideal, que é aquele em que os sucos se mantêm «dentro» da carne. Conhece-se este ponto como «mal passada», proscrito pelo preconceito de alguns, mas sem dúvida aquele que faz justiça a uma boa peça. Começa, já se vê, pelo trabalho de preparação das brasas, continua na entrada de cada corte no timing certo e termina com a adaptação dos tempos de cozedura à vivacidade das brasas ou à distância a que a grelha foi colocada.

Como atingir a perfeição

O discurso técnico de uma boa sessão de grelhados assenta sobretudo na preservação dos sucos da carne dentro de cada peça. Nunca é demais perder algum tempo a conseguir chegar a brasas com uma distribuição uniforme de calor e com persistência no tempo; nem demasiado vivas, nem quase mortas. E nunca, ou quase nunca, grelhar carne em chama direta; esta vai provocar um sobreaquecimento exacerbado do exterior, obrigando a que a carne desidrate muito depressa, tornando-se pouco interessante e desprovida de sabor.

5 MANDAMENTOS DA CARNE NA BRASA

- Salgar antes de grelhar apenas as peças gordas; fazê-lo nas partes magras provocará um
efeito semelhante ao da chama, desidratando as peças;
- Ordenar as peças por ordem decrescente de gordura (primeiro grelha-se as mais gordas, no
final as magras);
- Selar todas as peças antes de começar a grelhar, o que consiste em passar um pouco de cada
lado, como forma de confinar os sucos dentro da carne;
- Não passar demasiado a carne. Mesmo o ponto rosé já denuncia desidratação, o que é tanto
mais de lamentar quando mais se investiu na compra.
- Nunca utilizar carne congelada. É fundamental que a carne tenha uma boa e hidratada
estrutura fibrosa, o que normalmente se perde quando se congela.

Percorra a fotogaleria para conhecer 10 vinhos perfeitos para acompanhar um churrasco de carne grelhada.

Fonte: Evasões

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.