10 espumantes que o vão fazer borbulhar de alegria

Na vitória merecemos, na derrota precisamos. Palavras sábias sobre o champanhe atribuídas ora a Churchill ora a Napoleão, e mesmo que não tenham sido exactamente estas fixam o efeito regenerador e retemperador das pequenas bolhinhas em nós. Momentos de consumo não faltam. Percorra a fotogaleria para ver 10 espumantes recomendados pelo crítico de comida e vinhos Fernando Melo.

Chamamos champanhe ao vinho efervescente a que tiramos a rolha sem saca-rolhas pela pressão a que se encontra dentro da garrafa. Em rigor, devia reservar-se a designação para o que é produzido apenas na região francesa de Champagne, ao nosso e de toda a parte devíamos chamar simplesmente espumante.

O princípio de produção - método champanhês - é basicamente o mesmo. Produz-se um vinho de base a partir de uvas normalmente ainda não totalmente maduras, engarrafa-se juntamente com leveduras que induzem uma segunda fermentação, com o duplo efeito da efervescência criada na garrafa a indução da complexidade que faz toda a diferença. No instante derradeiro faz-se o dégorgement, substituindo-se a carica pela rolha de cortiça aramada que vemos nas garrafas de espumante. Estágio, castas, estilos e tempos de estágio - que pode ser de vários anos - fazem com que cada casa tenha a sua assinatura própria. E tal como o vinho do Porto Vintage, tudo se desenrola dentro da garrafa. Vamos pelo nosso gosto, como em tudo, e vamos bem, mas há imperativos de um bom espumante que devemos procurar. Os mais importantes são a complexidade e a a bolha fina. Cordão mais ou menos veloz, a sequência hipnotizante das bolhas no copo deve ser ligada e consistente, como se de uma nascente infinita se tratasse. A complexidade é um aspecto mais subjectivo, e está ligada a técnicas ancestrais e a questões de património de vinhas, cultura e hábitos. Quando são utilizadas apenas uvas brancas, dizemos tratar-se de um blanc de blancs e é o perfil mais festivo e aberto e directo que encontramos.

Por oposição, quando temos um espumante feito a partir de castas tintas no regime chamado de bica aberta, conseguimos chegar ao supremo da complexidade, blanc de noirs. O recém-criado espumante Baga Bairrada enquadra-se nesse perfil e devemos olhar para ele mais de perto. Deixamos uma pequena selecção para fazer as suas próprias experiências e decidir por si. Sirva sempre entre os 5ºC e os 7ºC.

Percorra a fotogaleria para ver 10 espumantes recomendados pelo crítico de comida e vinhos Fernando Melo.

Fonte: Evasões

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.