Fundação Calouste Gulbenkian

Guilherme D'Oliveira Martins

Luís Salgado de Matos

O Luís Filipe Salgado de Matos era das pessoas mais argutas e inteligentes que conheci. Investigador exímio, conversador inesgotável, era capaz de ver para além do imediato e das aparências, com quem dava gosto estar e conviver. Os temas que estudou (o Estado de Ordens e as relações institucionais das Forças Armadas e da Igreja) foram marcados pela originalidade e pelo modo próprio de analisar criticamente ideias feitas ou simplificações. Quantas vezes, em centenas de horas de convívio, ouvia placidamente os circunstantes e, aparentemente, sem discordância formal, com a sua voz inconfundível, mudava a perspetiva ou os ventos que pareciam dominar aquele ambiente.

Guilherme d' Oliveira Martins

Duzentos anos...

Numa semana plena de preocupações, Eduardo Ferro Rodrigues lembrou, oportunamente, no plenário da Assembleia da República, os 200 anos da sessão inaugural das Cortes Constituintes de 1821. E recordou que as eleições gerais de 1820, quatro meses apenas depois da Revolução Liberal do Porto, foram um momento fundamental da nossa história. Assim nasceu o primeiro parlamento português. E é essencial que essa memória não seja esquecida. Para alguns é apenas história ou passado - diremos, porém, que é sinal claro e inequívoco de uma noção essencial em democracia: o primado constitucional.

Exclusivo

Cultura

O retábulo imaginado por Almada Negreiros chega finalmente ao Mosteiro da Batalha

Almada Negreiros acreditava e defendia que os icónicos Painéis de São Vicente eram destinados à parede norte da capela do fundador, no Mosteiro da Batalha. Usou a geometria para o provar, e é toda essa investigação (além de um conjunto de 15 painéis) que a partir deste domingo está em exposição, comissariada por Simão Palmeirim. O DN, que nos anos de 1960 publicou pela primeira vez essa teoria de Almada, através do jornalista António Valdemar, acompanhou a montagem desse momento histórico.