russa

Victor Ângelo

A Rússia a letras gordas

Nesta semana, Vladimir Putin e a Rússia voltaram a ser manchete na comunicação social. Um dos motivos foi a mensagem de felicitações que Putin enviou a Biden. O líder russo acabou por ser um dos últimos chefes de Estado a dar os parabéns ao vencedor das eleições americanas. O pretexto da delonga foi o de estar à espera dos resultados do Colégio Eleitoral. Este formalismo, impecável do ponto de vista legal, mas pouco diplomático e inconsequente em termos do trato futuro, esconde mal a preferência que Putin tinha por Donald Trump. A política intempestiva, incoerente e divisiva de Trump era, na visão de Moscovo, a que mais enfraquecia a posição internacional dos EUA e melhor servia o renascimento geopolítico russo. Sem mencionar, claro, a deferência que o americano sempre mostrou pelo homem forte do Kremlin.