europeu

Seis anos de Estratégia Nacional

Prevenção do terrorismo. Plano aprovado às escondidas e sem ações

A secretária-geral do Sistema de Segurança Interna diz que aprovou em 2017, com as polícias e as secretas, um plano para prevenir o recrutamento extremista e terrorista, mas nunca disso deu nota pública, nem ao parlamento. Especialistas em Segurança mostram-se surpreendidos. Desconhecem-se consequências e ações no terreno, coordenadas por esta estrutura.

Henrique Burnay

Um problema à distância

Apesar de a política europeia estar frequentemente refém de eleições nacionais - coisa de que os europeístas se queixam muito -, o resultado das presidenciais portuguesas é praticamente irrelevante para o destino da Europa. Por um lado, porque o vencedor faz parte do desconhecido Grupo de Arraiolos, que de tempos a tempos junta os chefes de Estado que não têm competências em matéria de política europeia, mas que, ainda assim, gostam de se encontrar. Por outro, porque nunca houve, e continua a não haver, uma questão europeia nas eleições presidenciais portuguesas. Nem nas restantes, nos últimos anos. Mas começa a haver um problema.