Volodymyr Zelenskiy durante a gravação do programa humorístico para televisão 'O Servidor do Povo'.
Premium

eleições presidenciais

Ucrânia, um país de futuro incerto em que o favorito é um comediante

35 milhões de ucranianos votam neste domingo para escolher um novo presidente. O comediante Volodymyr Zelenskiy, protagonista do programa televisivo O Servidor do Povo, é o favorito. Em risco de perder a ajuda financeira do FMI, com uma guerra no Leste, a Ucrânia é um país de futuro incerto.

A Ucrânia é um país de futuro incerto. Dilacerada pelos combates no leste entre as forças do governo e os rebeldes pró-russos, com um grave problema de integridade territorial por resolver depois de a Rússia ter anexado a Crimeia e com múltiplas denúncias de ataques de piratas informáticos russos, é também um país pressionado pelo FMI a fazer reformas para receber mais dinheiro. Bola de pingue-pongue entre uma Rússia que quer recuperar a sua influência no mundo, uns EUA que estão preocupados em erguer muros contra mexicanos e apoiar israelitas contra palestinianos e uma União Europeia a braços com a crise do Brexit, é também um país cansado. O que explica, em parte, o candidato que lidera as sondagens para as presidenciais deste domingo, nas quais são chamados a participar 35 milhões de eleitores.

Volodymyr Zelenskiy, comediante de 41 anos, surge em primeiro lugar nas intenções de voto, com 20,9%, segundo uma sondagem do Kiev International Institute of Sociology (KIIS), realizada junto de 1600 pessoas, entre os dias 20 e 26 de março, exceto na Crimeia. Os dois outros candidatos de peso que poderão passar com ele à segunda volta, a 21 de abril, são o atual presidente ucraniano Petro Porochenko e a ex-primeira-ministra Iulia Timochenko. O primeiro surge com 13,7% nas intenções de voto, a segunda com 9,7%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Espanha

Bolas de aço, berlindes, fisgas e ácido. Jovens lançaram o caos na Catalunha

Eram jovens, alguns quase adultos, outros mais adolescentes, deixaram a Catalunha em estado de sítio. Segundo a polícia, atuaram organizadamente e estavam bem treinados. José Manuel Anes, especialista português em segurança e criminalidade, acredita que pertenciam aos grupos anarquistas que têm como causa "a destruição e o caos" e não a luta independentista.