Ainda agora era ontem

Durante os anos de faculdade fui um grande frequentador de cafés. Como todos os profissionais da arte, tinha um café e uma mesa preferida, onde me instalava a meio da tarde e ia folheando jornais, livros e cadernos. Estava a treinar para intelectual, pensava eu por outras palavras, e, se dúvidas houvesse, bastaria conferir os kafkas e os dostoievskis empilhados com criterioso desleixo.

Os cafés de agora não têm jovens como eu fui, os livros e os jornais foram trocados por portáteis e iPads, os putativos escritores são agora programadores e designers, trocaram as cervejas por cappuccini e até os cigarros têm bateria e luzinhas.

Não sei se estou antigo ou eles demasiado modernos, mas estes vinte anos parecem um século.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.