Um mandarim entregue ao governo chinês

Num edição que dava grande destaque à guerra que se intensificava entre Japão e Rússia - com um longo texto enumerando três grandes perigos e explicando a razão de o serem: o Japão, as estradas públicas e os caminhos-de-ferro -, outra notícia curiosa merece menção.

Umas linhas abaixo e sem grande alarde, mas destaque suficiente para provar a sua importância, lia-se na edição deste dia 31 de gosto de 1904, no espaço destinado a noticiário variado: "Entrega de um mandarim ao governo chinês".

O DN explicava então, dando seguimento a uma notícia prévia, que "o governo chinês requerera ao nosso a entrega de um mandarim que, exercendo um importante cargo naquele império, abusara da sua posição". O seu crime? Ter-se apropriado de "fabulosas quantias" e que "para se subtrair a um justo castigo" fugira para Macau.

Agora, o jornal anunciava que o governo mandara instaurar um processo, tendo ficado provada a culpa "do mandarim, em virtude do que se resolveu pedir a sua interdição". Na notícia esclarecia-se ainda que o homem já fora entregue ao governo chinês, "sob a condição de não lhe ser aplicada a pena de morte".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.