Um mandarim entregue ao governo chinês

Num edição que dava grande destaque à guerra que se intensificava entre Japão e Rússia - com um longo texto enumerando três grandes perigos e explicando a razão de o serem: o Japão, as estradas públicas e os caminhos-de-ferro -, outra notícia curiosa merece menção.

Umas linhas abaixo e sem grande alarde, mas destaque suficiente para provar a sua importância, lia-se na edição deste dia 31 de gosto de 1904, no espaço destinado a noticiário variado: "Entrega de um mandarim ao governo chinês".

O DN explicava então, dando seguimento a uma notícia prévia, que "o governo chinês requerera ao nosso a entrega de um mandarim que, exercendo um importante cargo naquele império, abusara da sua posição". O seu crime? Ter-se apropriado de "fabulosas quantias" e que "para se subtrair a um justo castigo" fugira para Macau.

Agora, o jornal anunciava que o governo mandara instaurar um processo, tendo ficado provada a culpa "do mandarim, em virtude do que se resolveu pedir a sua interdição". Na notícia esclarecia-se ainda que o homem já fora entregue ao governo chinês, "sob a condição de não lhe ser aplicada a pena de morte".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.