Premium Haddad e Alckmin apostam na televisão para ultrapassar fenómeno Bolsonaro

Arranca nesta sexta-feira a campanha eleitoral na TV. No meio dos jingles em modo repeat, dos concorrentes bizarros e dos ataques violentos da praxe, dois candidatos jogam o futuro.

"A candidatura do PT é a antítese do statu quo", disse um dia destes, em comício, Fernando Haddad. Acontece que essa frase é a antítese de tudo o que o statu quo do PT quer ouvir. No tempo de antena televisivo para as eleições de 7 de outubro, cujo início está marcado para hoje, o partido de centro-esquerda vai tentar tornar o discurso do provável substituto de Lula da Silva menos académico, ou seja, sem "antíteses" nem statu quo e mais próximo do cidadão. Porque o desafio, difícil, do partido é transferir num prazo curto os quase 40% que o antigo presidente vale nas sondagens para a conta do ex-prefeito de São Paulo, por ora com resultados em torno dos 5%.

Nem só Haddad e o PT, que têm direito a 2'23'' em cada um dos quatro blocos diários de 12'30'" de tempo de antena, apostam todas as fichas na propaganda eleitoral televisiva. Também Geraldo Alckmin (PSDB), ex-governador de São Paulo, sabe que é na TV que deve dar tudo por tudo para subir dos discretos seis a nove pontos que apresenta nas pesquisas para valores condizentes com um forte candidato a chegar à segunda volta. Alckmin tem, sozinho, direito a 5'32'", quase metade do bolo total, por ter garantido aliança com um grupo de seis partidos assumidamente oportunistas conhecido por Blocão - nas regras eleitorais, cada partido vale o seu peso parlamentar em tempo. "Agora é que vai começar a campanha, é via rádios e televisões que o interesse, a tensão e a reflexão aumentam", disse Alckmin, que até substituiu um publicitário nos últimos dias com vista a rentabilizar o tempo mediático.

Se Haddad e Alckmin têm tempo de sobra para se promoverem - o primeiro sempre que possível em imagens ao lado do popular Lula e o segundo sempre que possível longe do impopular presidente Michel Temer, cujo governo apoiou -, a propaganda na TV é o calcanhar de Aquiles de outros candidatos competitivos. A começar por Jair Bolsonaro (PSL), com insignificantes oito segundos para gerir. Os conselheiros do deputado que lidera as sondagens sem Lula escolheram nos últimos dias as palavras - necessariamente poucas - a que ele vai recorrer: pouco mais do que dizer o seu nome e o seu lema "o Brasil acima de tudo, Deus acima de todos" enquanto se ouve o jingle "muda Brasil, muda Brasil, muda de verdade, Bolsonaro com amor e coragem". Bolsonaro, conservador de direita, continuará a apostar mais na divulgação online dos seus projetos, em que é, com larga margem, o mais seguido e comentado.

Marina Silva (Rede), que, com Lula na corrida, é terceira, mas sem o antigo presidente nas contas só é superada pelo capitão do Exército, não se desanima por ter pouco tempo à disposição nas televisões. "Tenho uma fresta de 21 segundos e é por ela que eu vou passar."

Outros candidatos, por terem tempo de antena curto, vão usar e abusar dos seus jingles. Como Ciro Gomes (PDT), dono de 38'', em cuja mensagem publicitária o seu nome é repetido 67 vezes. O jingle de Álvaro Dias (PODE), que ocupará a quase totalidade dos 40'' à sua disposição, é em "sertanejo universitário", um ritmo caro ao seu estado de nascimento, o Paraná, e que os "marqueteiros" dizem estar associado a honestidade e empreendedorismo. "Enquanto os outros ficam no blá-blá-blá, Álvaro fala e faz", diz o refrão.

Todos os candidatos à presidência sofrem ainda a concorrência da massa de mais de 25 mil pretendentes a cargos de deputados estaduais ou federais. Especialmente dos mais bizarros, que prometem gerar mais retorno e mais memes, como O Homem-Aranha do Amapá, o Viado da Bike, os dois Batman, o Robin, o Super-Homem, o Clark Crente ou o Alceu Dispor 24 Horas, por exemplo.

A força da televisão, num país continental e com áreas de difícil acesso, mede-se em factos que atingiram, por exemplo, dois dos atuais competidores: em 2002, José Serra (PSDB) divulgou no seu tempo de antena um áudio onde Ciro Gomes chamava um ouvinte de uma rádio de "burro" e o hoje candidato pelo PDT não se recuperou. Na eleição passada, João Santana, o publicitário de Dilma Rousseff (PT) entretanto detido na Lava-Jato, usou a propaganda na TV para mostrar Marina Silva, em subida nas sondagens, a sorrir ao lado de banqueiros enquanto evaporavam pratos de comida da mesa das famílias - a hoje cabeça-de-lista pelo Rede nem chegaria à segunda volta.

Nas sete eleições presidenciais desde a redemocratização, aliás, em quatro ganhou o candidato com maior tempo de antena - Fernando Henrique Cardoso (PSDB), duas vezes, e Dilma, outras tantas - e em duas o segundo com mais espaço na TV - Lula. Só Collor de Mello, vencedor em 1989 e que chegou a anunciar candidatura neste ano, usufruiu de um período mais discreto.

TEMPO DE ANTENA

Geraldo Alckmin (PSDB) - 5'32''
Lula da Silva/Fernando Haddad (PT) - 2'33''
Henrique Meirelles (MDB) - 1'55''
Álvaro Dias (PODE) - 40''
Ciro Gomes (PDT) - 38''
Marina Silva (Rede) - 21''
Guilherme Boulos (PSOL) - 13''
Cabo Daciolo (PATRI) - 8''
José Maria Eymael (DC) - 8''
Jair Bolsonaro (PSL) - 8''
João Amoêdo (Novo) - 5''
Goulart Filho (PPL) - 5''
Vera Lúcia (PCTU) - 5''

Em São Paulo

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."