O desafio demográfico e a clubite partidária

No Parlamento, debatemos nesta semana o problema demográfico que é um dos maiores desafios do nosso país. Reconhecendo a importância do tema, o PSD trouxe há já vários anos esta matéria para a agenda política: em 2014, num relatório coordenado pelo Prof. Joaquim Azevedo, em que o PSD defendia, por exemplo, um IMI mais amigo das famílias; e mais recentemente, num documento elaborado pelo Conselho Estratégico Nacional, onde se apontava para o alargamento da licença parental e o reforço na partilha da mesma entre pai e mãe.

Num país que pode perder mais de dois milhões de habitantes até 2060 (segundo previsões da OCDE) e que continua a não criar oportunidades para que os seus jovens mais qualificados aqui possam desenvolver os seus projetos de vida, incompreensível seria se todos os partidos não procurassem encontrar medidas para ajudar a resolver ou, pelo menos, mitigar o declínio demográfico. Mas, infelizmente, o incompreensível aconteceu.

PS, BE e PCP chumbaram a constituição de uma comissão eventual, onde se poderia encontrar respostas integradas de políticas públicas visando contrariar o declínio demográfico. Sendo públicas as propostas do PSD, como é disso exemplo a proposta para assegurar a gratuitidade de frequência dos estabelecimentos de infância até aos 6 anos, era tempo de todos os partidos fazerem parte desta discussão que é fundamental para o futuro do nosso país.

A par de medidas que promovam a natalidade, como as que removam os obstáculos que impedem os casais de ter filhos, não é possível tratar o declínio demográfico sem olhar para a emigração. Não a estigmatizando nem aceitando que ano após ano continuem a sair do nosso país quase cem mil pessoas.

E como se previa, depois de anos e anos a tratar os emigrantes como armas de arremesso político, foram precisos três anos para o PS apresentar uma proposta para os trazer de volta que é, resumidamente, demagógica, eleitoralista, ineficaz e intelectualmente desonesta. Recordo que o PS promete um desconto de 50% no IRS para fazer regressar os portugueses que emigraram entre 2011 e 2015. Ora, é demagógica porque insinua que a emigração começou e acabou no anterior governo; é eleitoralista porque só chega em ano de eleições; é ineficaz porque, por si só, não trará ninguém de volta a Portugal; e é intelectualmente desonesta porque continua a remeter para o "governo anterior" um problema que é de ordem estrutural na sociedade portuguesa.

Da mesma forma, é fundamental olhar para as novas gerações e responder à sua aspiração para constituir família. Mas, infelizmente, ignoramos uma geração eternamente adiada que nem consegue sair de casa dos pais e, por maioria de razão, não consegue iniciar o seu projeto de vida. Se não consegue sequer sair de casa dos pais, como é que vai poder pensar sequer em constituir família?

Lamentavelmente, em três anos de governo nada se fez para que esta geração tivesse mais liberdade e autonomia para a criação do seu futuro. Em matéria de arrendamento jovem, recorde-se que o governo optou por anunciar uma nova geração de políticas para a habitação que esquece as novas gerações. Já no combate à precariedade laboral dos mais jovens, o governo optou por propor o alargamento para seis meses do período experimental, tornando-os mais vulneráveis no mercado de trabalho.
Sendo o combate ao declínio demográfico um desígnio nacional, estarão convocados para o debate todos os partidos e todas as gerações. Mas é fundamental que nunca nos esqueçamos de que este país também tem de ser para jovens.

Presidente da JSD

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.