Premium Geração de ouro. Sub-19 garantem 13.º título para Portugal a nível de seleções

Portugal venceu a Itália por 4-3 (após prolongamento) e sagrou-se campeão da Europa pela quarta vez neste escalão. Onze destes jogadores tinham sido também campeões há dois anos no escalão de sub-17.

Dezanove anos depois, a seleção portuguesa de sub-19 voltou a sagrar-se campeã da Europa. O triunfo sensacional por 4-3 sobre a Itália após prolongamento, neste domingo, na final do Europeu disputado na Finlândia, permitiu a Portugal conquistar o quarto título neste escalão, depois dos triunfos nas edições de 1961, 1994 e 1999. "Estes meninos são umas joias", desabafou no final o selecionador Hélio Sousa, emocionado. Marcelo Rebelo de Sousa considerou a vitória "um novo ponto alto do futebol português" e António Costa, através do Twitter, também deu os parabéns aos sub-19: "Que grande percurso, que grande vitória! Merecem este título."

A seleção chega nesta segunda-feira à noite a Portugal e, na terça-feira, por volta da hora do almoço, será recebida no Palácio de Belém por Marcelo Rebelo de Sousa, à imagem do que aconteceu com a seleção principal, em 2016, depois de vencer o Europeu disputado em França.

Num jogo carregado de emoção, com constantes alterações no marcador, Portugal chegou a ter uma vantagem de dois golos (João Filipe e Francisco Trincão), mas permitiu que os italianos empatassem, através de um bis de Moise Kean. O jogo teve de ir para prolongamento e João Filipe voltou a colocar a seleção nacional na frente, mas Scamacca igualou novamente a partida. Mas aos 109 minutos, Pedro Correia marcou o golo que valeu o título europeu.

A nível geral, contabilizando todos os troféus ganhos pelas seleções nacionais de futebol, em todos os escalões, este foi o 13.º título da história. O mais mediático continua a ser o Europeu conquistado pela seleção principal, em 2016, num jogo marcado pelo célebre golo de Eder na final com a França. No total, foram 26 finais disputadas e a balança ficou equilibrada: 13 vitórias e 13 derrotas.

O primeiro título alcançado neste escalão em 1961 aconteceu no Torneio Internacional de Juniores, numa seleção orientada por José Maria Pedroto, o malogrado treinador do FC Porto, numa final que teve como grande herói Serafim, na altura avançado dos dragões, que marcou os quatro golos no jogo decisivo diante da Polónia.

Os outros dois foram na categoria de sub-18 (desde 2002 a prova passou a ser de sub-19). Em 1994, Portugal bateu na final a Alemanha no desempate por grandes penalidades (4-1), depois da igualdade a um golo registada nos 120 minutos. Era selecionador Agostinho Oliveira e na equipa jogavam, entre outros, Rui Óscar, Nuno Gomes, Bruno Caires, Dani e Beto. Na conquista de 1999, Portugal bateu na final a Itália, graças a um golo solitário de João Paulo, numa partida em que Portugal jogou com dez desde os 63 minutos, por expulsão de Semedo.

O triunfo deste domingo diante da Itália, além do quarto título neste escalão, permitiu a Portugal pôr um ponto final numa malapata de três finais sem conseguir vencer - 2003, 2014 e 2017. No ano passado, na Geórgia, a seleção nacional que já era orientada por Hélio Sousa foi derrotada pela Inglaterra (1-2).

Veja aqui todas as 26 finais das seleções de Portugal em todos os escalões.

1961 Tor. Int. Juniores Portugal-Polónia VITÓRIA (4-0)
1971 Tor. Int. Juniores Portugal-Inglaterra DERROTA (0-3)
1988 Europeu sub-16 Portugal-Espanha DERROTA (0-0ap, 2-4gp)
1988 Europeu sub-18 Portugal-União Soviética DERROTA (1-3ap)
1989 Europeu sub-16 Portugal-RDA VITÓRIA (4-1)
1989 Mundial sub-19 Portugal-Nigéria VITÓRIA (2-0)
1990 Europeu sub-18 Portugal-União Soviética DERROTA (0-0ap, 2-4gp)
1991 Mundial sub-20 Portugal-Brasil VITÓRIA (0-0ap, 4-2gp)
1992 Europeu sub-18 Portugal-Turquia DERROTA (1-2)
1994 Europeu sub-21 Portugal-Itália DERROTA (0-1)
1994 Europeu sub-18 Portugal-Alemanha VITÓRIA (1-1ap, 4-1gp)
1995 Europeu sub-16 Portugal-Espanha VITÓRIA (2-0)
1996 Europeu sub-16 Portugal-França VITÓRIA (1-0)
1997 Europeu sub-18 Portugal-França DERROTA (0-1ap, morte súbita)
1999 Europeu sub-18 Portugal-Itália VITÓRIA (1-0)
2000 Europeu sub-16 Portugal-República Checa VITÓRIA (2-1ap, morte súbita)
2003 Europeu sub-17 Portugal-Espanha VITÓRIA (2-1)
2003 Europeu sub-19 Portugal-Itália DERROTA (0-2)
2004 Euro2004 Portugal-Grécia DERROTA (0-1)
2011 Mundial sub-20 Portugal-Brasil DERROTA (2-3ap)
2014 Europeu sub-19 Portugal-Alemanha DERROTA (0-1)
2015 Europeu sub-21 Portugal-Suécia DERROTA (0-0ap, 3-4gp)
2016 Europeu sub-17 Portugal-Espanha VITÓRIA (1-1, 5-4gp)
2016 Euro2016 Portugal-França VITÓRIA (1-0ap)
2017 Europeu sub-19 Portugal-Inglaterra DERROTA (1-2)
2018 Europeu sub-19 Portugal-Itália VITÓRIA (4-3ap)

Campeões de sub-17 e muitos a jogar no estrangeiro

Entre os convocados desta seleção de sub-19, onze foram há dois anos campeões da Europa no escalão de sub-17, dos quais sete sagraram-se vice-campeões continentais de sub-19 no ano passado: o guarda-redes Diogo Costa (FC Porto), o central Diogo Queirós (FC Porto), os médios Florentino Luís (Benfica), Miguel Luís (Sporting) e Domingos Quina (West Ham) e os extremos João Filipe e Mesaque Dju (ambos Benfica). O guarda-redes João Virgínia (Arsenal) e o defesa Thierry Correia (Sporting) também foram campeões europeus de sub-17 há dois anos.

Muitos destes jogadores, apesar da idade, já têm rodagem a nível profissional nas equipas que representam. É o caso do extremo Francisco Trincão (Sp. Braga), melhor marcador da equipa a par de Jota, com cinco golos, dois neles na goleada à Ucrânia (5-0) e um na final com a Itália. Embora ainda tenha idade de júnior, tal como os restantes companheiros, leva 39 jogos e seis golos pelo Sp. Braga B na competitiva II Liga.

Mas há mais. O caso mais flagrante é o do médio ofensivo Domingos Quina, filho do antigo central benfiquista e boavisteiro Samuel, que leva seis jogos na equipa principal do West Ham, entre os quais dois na Liga Europa e um na Taça da Liga diante do Arsenal. Também José Gomes, conhecido por Zé do Golo, participou em cinco jogos do Benfica no início da temporada 2016-17, numa fase em que Rui Vitória não podia contar com Jonas, Mitroglou e Jiménez, e contabiliza 49 partidas e dez golos pelos bês encarnados.

Outros casos são Florentino Luís (51 jogos pelo Benfica B), Diogo Costa (34 jogos pelo FC Porto B), João Filipe "Jota" (28 jogos pelo Benfica B), Diogo Queirós (27 jogos pelo FC Porto B), Nuno Santos (16 jogos pelo Benfica B), Miguel Luís (15 jogos pelo Sporting B), Mesaque Dju (oito jogos pelo Benfica B) e Elves Baldé (quatro jogos pelo Sporting B).

Curioso é também o facto de os chamados três grandes, que tradicionalmente costumam reinar nas convocatórias das seleções jovens, estarem representados apenas por metade dos jogadores. O Benfica deu cinco atletas, mas o Sp. Braga surge imediatamente a seguir, a par do Sporting, com três. Só depois aparece o FC Porto, com dois. V. Guimarães e Rio Ave estão presentes por intermédio do defesa Romain Correia e do defesa Diogo Teixeira, respetivamente, e há ainda seis jogadores a atuar no estrangeiro: além dos já citados Domingos Quina, João Virgínia e Rúben Vinagre, há o defesa Nuno Henrique (Sion) e o avançado Pedro Correia (Deportivo da Corunha). E ainda o guarda-redes Ricardo Benjamim, do Dep. Corunha, que foi integrado nos convocados para a final devido à lesão de Diogo Costa.

Eis os jogadores que compõem a seleção de sub-19 que se sagrou campeã da Europa:

João Virgínia (Arsenal)
Florentino, Nuno Santos, Mesaque Dju, João Filipe e José Gomes (Benfica)
Pedro Correia (Dep. Corunha)
Diogo Costa e Diogo Queirós (FC Porto)
Nuno Henrique (Sion)
David Carmo, Francisco Moura e Trincão (Sp. Braga)
Diogo Teixeira (Rio Ave)
Elves Baldé, Thierry Correia e Miguel Luís (Sporting)
Romain Correia (V. Guimarães)
Domingos Quina (West Ham)
Rúben Vinagre (Wolverhampton)
Ricardo Benjamin (Dep. Corunha)*

* Foi chamado à última hora para a final, autorizado pela UEFA, na sequência da lesão contraída pelo guarda-redes Diogo Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.