Premium Sete dias, sete continentes e sete maratonas. O desafio de João Neto aos 52 anos

O primeiro português na World Marathon Challenge tem no currículo as principais maratonas do mundo e ainda corridas no polo norte e na Antártida. Hérnia que apareceu a um mês da prova "é mais um desafio". Numa aventura que tem também fins solidários.

Sete dias, sete continentes e sete maratonas. É este o desafio que espera o português João Neto, de 52 anos, gestor no ramo das telecomunicações que descobriu nas corridas de longa distância, e em condições adversas, uma forma de alcançar objetivos e de superar-se ao nível pessoal.

João Neto será o primeiro português a participar na World Marathon Challenge, que começa a 31 de janeiro de 2019, apenas cinco anos depois de ter corrido a primeira maratona, aos 47 anos. Nesta meia década, já correu praticamente em todo o planeta. De início o objetivo era atingir um "marco" que agora parece simples: realizar uma maratona. Ao DN, explicou como chegou até aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.