Premium Cirque du Soleil vai pôr um "Ovo" em Lisboa. E tem ritmos brasileiros

O brasileiro Emerson Neves conta como é trabalhar com o Cirque du Soleil no espetáculo Ovo, que se apresenta em janeiro em Lisboa: "Sinto-me como aqueles meninos que entram na Fábrica de Chocolate do filme."

A equipa de Ovo, o espetáculo que o Cirque du Soleil está a apresentar em digressão pela Europa, passou o Natal em Espanha. Mas a passagem de ano já será em Lisboa, onde o espetáculo se estreia no dia 3 de janeiro, na Altice Arena. Emerson Neves, brasileiro de 46 anos que há dez trabalha com o famoso circo canadiano, já está habituado a esta vida de saltimbanco: "Temos muito trabalho mas tentamos aproveitar para ver as cidades. Acho a cidade de Lisboa linda, é sempre um prazer voltar. Ainda não sei o que faremos no réveillon aí", contou-nos, num dia de dezembro, numa conversa telefónica.

Emerson Neves começou a fazer ginástica aos 8 anos, em São Paulo. Foi atleta de alta-competição e chegou a pertencer à seleção brasileira até, em 2006, se ter candidatado a um lugar no Cirque du Soleil. "Mandei um vídeo para eles, depois fiz uma audição no Brasil e só depois me chamaram para fazer uma formação em Las Vegas", conta. "Todos os anos, eles abrem vagas para atletas e outros artistas de circo, do mundo inteiro, e depois desse treino de três meses, numa área específica, convidam os melhores para se juntarem à equipa." Emerson fez formação em báscula russa. "Quando terminei fui convidado para integrar um outro show, Saltimbanco."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.