Os lugares e as palavras

O escritor francês Georges Perec, muito dado à experimentação literária, publicou em 1975 um livro estranho, heteróclito, mas cujo título é autoexplicativo: Tentativa de Esgotamento de Um Local Parisiense. Em 60 páginas o autor tenta descrever com o máximo de minúcia a praça parisiense de Saint-Sulpice, enumerando os edifícios, os sinais de trânsito, os letreiros e até os transeuntes e os automóveis que ali circulavam.

Quando o li, há alguns anos, fiquei fascinado pelo exercício, pela ambição que representava mas também pelo falhanço em que redunda. Não é possível esgotar um lugar recorrendo a uma mera descrição, seja uma praça de Paris ou o Bairro dos Anjos em Lisboa.

Os lugares são as histórias presentes e antigas que se escondem atrás do que vemos, são as rotinas e as memórias e os sonhos de quem lá mora. Os lugares não se esgotam nas palavras, e talvez por isso valha a pena escrever sobre eles.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.