Premium Professores exigem números claros a Mário Centeno

Sindicatos e independentes temem que o ministro se limite a repetir os 600 milhões anuais que o governo tem referido sobre o custo da recuperação do tempo de serviço, quando as contas dos professores apontam para metade desse valor ou menos.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, estará nesta tarde na Comissão de Educação e Ciência, numa audiência urgente, agendada pelo PS, com o objetivo de divulgar "o impacto orçamental do descongelamento das carreiras e dos modelos de recuperação do tempo de serviço", tendo em conta os nove anos, quatro meses e dois dias que os partidos à direita e à esquerda do PS reconheceram no dia 16 de abril. E conhecer essas contas é precisamente o que dizem esperar os professores e seus representantes, para os quais os 635 milhões de euros de impacto anual que o governo tem vindo a repetir não passam de um número "fetiche" sem sustentabilidade. E que, sobretudo, continua por explicar.

"Nenhuma conta que nós fizemos bate certo com aquilo, sendo certo que não temos os valores todos porque nunca nos cederam", diz ao DN Mário Nogueira, da Federação Nacional dos Professores (Fenprof). O que o ministro Mário Centeno pode ir dizer ao Parlamento é o que lhe interessa dizer", avisa, considerando que até agora o governo se agarrou "a um número grande, para impressionar, mas que continua sem esclarecer como lá chegou".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.