Alfundão ganha nova vida quando os imigrantes largam trabalhos na vinha
Premium

Reportagem

Alfundão ganha nova vida quando os imigrantes largam trabalhos na vinha

Vêm da Índia, do Nepal, do Bangladesh, da Tailândia e do Paquistão, entre muitos outros países. São a mão-de-obra que o Alentejo não tem. Trabalham nos campos e vivem em contentores, mas também enchem as ruas, os cafés e os mercados das aldeias.

Mariana Reis mudou o horário do supermercado. Fechava sempre aos sábados e domingos à tarde mas, de há seis anos para cá, o estabelecimento está aberto todo o fim de semana e, à semana, só fecha quando sai o último cliente - em regra um imigrante. Começou a colocar nas prateleiras produtos desconhecidos em Alfundão (Ferreira do Alentejo), como arroz basmati, limas, gengibre e picantes fortes. E reforçou as encomendas de manga, abacaxi, whiskey, cerveja e tabaco. É que a população da vila mudou. Um terço são estrangeiros que atravessaram continentes para ali chegar e chegam a ser metade dos habitantes nos picos das colheitas agrícolas, sobretudo a vindima. Quem lá vive, muitos idosos, "acha bem". "Se não fosse essa gente que vem de fora, quem é que apanhava as frutas?"

José Santos, 79 anos, toda a vida pastor, faz a pergunta aos amigos, sentados num banco de pedra, à espera de que o dia termine. António Francisco, 60 anos, motorista, encolhe os ombros perante a importância, ou não, dos estrangeiros que têm povoado a terra, na maioria naturais do subcontinente indiano e Sudeste Asiático: Nepal, Bangladesh, Paquistão, Índia e Tailândia. Da Europa, chegam os romenos.

Ler mais

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG