Premium Universidades americanas disputam manuscritos de Lobo Antunes

A Universidade de Yale é a que o escritor olha como a que melhor preservará o seu espólio. Mas não é a única instituição norte-americana que o contactou.

Os manuscritos de mais de trinta romances, notas originais de uma obra com décadas e todo o espólio que documentam a oficina literária de António Lobo Antunes podem deixar Portugal e ir para arquivos de universidades norte-americanas. A Universidade de Yale é aquela com que o escritor português está mais em sintonia, uma vez que não ficou insensível à proposta feita pela prestigiada Universidade de Harvard para depositar numa delas todo o material em que escreveu a sua obra.

António Lobo Antunes confirmou ao DN a situação: "Tenho tido contactos de universidades americanas que desejam preservar o meu espólio literário." Também refere que não há qualquer compensação financeira para que aceite os convites: "Não existem valores em jogo, apenas a garantia - que em Portugal não tenho - de que todo o material será preservado com qualidade." Uma das suas preocupações é o facto de sempre ter escrito em "folhas de bloco normais e com esferográfica", suportes que exigem cuidados extremos para não se estragarem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.