Premium Lobo Antunes é o convidado de honra da Feira do Livro de Guadalajara mas não sabe se vai

O escritor português diz que não está certo sobre se vai aceitar marcar presença em Guadalajara e garante que só tomará uma decisão a meio de setembro. Contudo, já aceitou o convite oficial para ir à Cidade do México.

Portugal será o país em destaque na edição deste ano da Feira Internacional do Livro de Guadalajara e António Lobo Antunes o convidado de honra. Mas o escritor garante que está bastante hesitante em deslocar-se a Guadalajara. A organização já o anunciou. E ele próprio já confirmou a sua deslocação à Cidade do México. Mas nada está certo, ainda.

Confusos? António Lobo Antunes responde: "Não estão reunidas as condições para tomar uma decisão em relação à minha presença enquanto convidado de honra." Mais não adianta. O seu nome foi um dos indicados, recentemente, em Lisboa, no Salão Nobre do Ministério dos Negócios Estrangeiros, quando esteve em Portugal a diretora da Feira do Livro de Guadalajara, Marisol Schulz; de uma caravana de jornalistas mexicanos que fizeram a cobertura do anúncio; perante a presença da responsável pela comitiva portuguesa, Manuela Júdice, bem como os ministros Augusto Santos Silva e Luís Filipe Castro Mendes. Mas a ausência de António Lobo Antunes nesta sessão foi notada - estiveram, aliás, presentes os outros autores portugueses convidados.

A lista dos autores portugueses foi revelada por ordem alfabética, cabendo a António Lobo Antunes o oitavo lugar entre uma ordem que começa com Adélia Carvalho e termina com Vasco Gato - ou seja, ao seu nome não foi dado destaque, nem honras especiais.

Decisão em setembro

António Lobo Antunes apenas acrescentou uma informação concreta sobre a sua muito provável ausência na Feira do Livro de Guadalajara, a de que só decidirá mais tarde: "Tomarei uma decisão final sobre se vou ou não a Guadalajara daqui a umas semanas, em setembro." Porquê neste mês? "Primeiro, pretendo ter um conhecimento mais aprofundado do programa, portanto antes do meio de setembro não poderei garantir que viajo."

Ao ser-lhe lembrado que era o convidado de honra da Feira de Guadalajara e que Portugal será o país em destaque, António Lobo Antunes respondeu: "É verdade que me disseram que era o convidado de honra e sei que Portugal será o país homenageado. Mesmo assim, não estou em condições de confirmar se irei ou não à Feira do Livro."

O escritor tem agendadas duas participações no evento, uma para celebrar os dez anos da data em que recebeu o Prémio Juan Rulfo (atualmente denominado Prémio Feira Internacional do Livro - Literatura) e uma conversa com a escritora Laura Restrepo no grande auditório da feira. O prémio literário Juan Rulfo é um dos mais importantes na América Latina, tendo já sido concedido a Claudio Magris, Juan Goytisolo, Rubem Fonseca e Enrique Vila-Matas, entre outros.

Para António Lobo Antunes a Feira do Livro mexicana não parece ser uma prioridade, tendo referido que antes do México ainda tem vários compromissos: "Em outubro tenho de estar em Itália, onde existem dois acontecimentos muito importantes para mim." O escritor foi convidado para inaugurar a cátedra na Universidade de Milão com o seu nome: "É uma cátedra que já existe há algum tempo, mas ainda não tive oportunidade de participar na cerimónia oficial, apesar de a instituição o solicitar há algum tempo. Será agora que lá irei."

Na deslocação a Itália, António Lobo Antunes receberá também o Prémio Bottari Lattes Grinzane, com que foi distinguido neste ano, no seguimento de importantes autores como Ian McEwan, Patrick Modiano, Martin Amis, Javier Marias e Amos Oz.

O evento do México ficará também próximo do lançamento de um novo romance: "São os livros que me preocupam e é para eles que quero ter tempo." Lobo Antunes considera que está numa boa fase: "Estou a escrever muito bem e os próximos livros ainda serão melhores." O escritor assinou, nos últimos tempos, contratos de tradução da obra completa para a China, Eslováquia e para os países árabes, entre outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.