"Está em causa, como nunca vimos antes, a legitimação da Europa"

O ministro dos Negócios Estrangeiros diz não estar preocupado por "Steve Bannon andar pela Europa a pregar e a organizar os seus crentes". O problema é outro: "O recrudescimento de movimentos de extrema-direita."

Já não é apenas um espectro que paira sobre a Europa. Há poucos dias, Steve Bannon anunciou a criação de uma federação europeia de partidos populistas, O Movimento. O principal estratega da eleição de Donald Trump quer criar um "supergrupo" de partidos nacionalistas no Parlamento Europeu, depois das eleições de maio de 2019. Bannon tem repetido que o seu objetivo é ajudar "a revolta populista e nacionalista" no continente europeu.

Na mesma semana em que Bannon anunciou a sua participação nesta federação de partidos, Donald Trump elegeu a União Europeia como adversária dos EUA. Há um sinal de alarme a soar em Bruxelas. E esse foi o pretexto para uma conversa com Augusto Santos Silva, o ministro dos Negócios Estrangeiros, que vê razões para a preocupação.

"Eu não fico preocupado por o senhor Steve Bannon andar pela Europa a pregar e a tentar organizar os seus crentes. O que me preocupa é o crescimento da influência desses movimentos", começa por explicar Augusto Santos Silva.

O "recrudescimento de movimentos de extrema-direita, que há 30 anos eram bastante residuais", é o dado que o ministro dos Negócios Estrangeiros identifica como mais significativo para a política europeia. Até porque é visível "o crescimento da influência política, social e eleitoral" que têm.

O desejo de Santos Silva é que a eleição dos deputados europeus não seja vista, como é habitual, como uma "eleição de segunda ordem"

Embora veja como "natural" esta "tentativa de fundar uma rede europeia de movimentos que pensam ter uma convergência de interesses", Santos Silva encontra nesses partidos um ideário perigoso. "O antagonismo face ao projeto europeu, a natureza soberanista do discurso, a eleição dos imigrantes como risco número um para a civilização europeia e a escolha de uma só identificação religiosa como símbolo."

Esta é, politicamente, uma "corrente que procura opor as elites ao povo, negar o pluralismo e considerar a dissidência como exterior à nação". Tudo isso impõe uma presença diária do discurso xenófobo no debate europeu, em que "os migrantes são vistos como uma ameaça existencial", critica Santos Silva.

"Há até certo ponto uma aproximação que é lógica entre a extrema-direita europeia e alguns movimentos políticos que defendem regimes autocráticos. Comungam o mesmo ódio ao pluralismo e a mesma defesa das lideranças fortes. Percebo que a senhora Le Pen teça loas ao senhor Putin enquanto liderança forte", avalia o ministro português.

Mais surpreendente é, do seu ponto de vista, a "menor afeição pela construção europeia" da administração americana. Essa é uma mudança numa política de Washington que tem pelo menos 100 anos... "Desde Woodrow Wilson que os americanos sempre apoiaram os projetos de construção da Europa, por forma a evitar novas guerras", lembra Santos Silva.

A mudança com Trump foi drástica. E isso tem reflexos na União Europeia. Augusto Santos Silva vê "uma proximidade entre alguns setores que apoiaram e apoiam a atual administração Trump e alguns que pretendem dinamitar a União Europeia".

O novo governo italiano, por exemplo? "O governo italiano ainda não explicou cabalmente aos restantes governos qual é verdadeiramente a sua posição face à construção europeia", lamenta o ministro. Mas já deu sinais maus em "decisões tão cruas como a de impedir o desembarque em portos italianos de refugiados". Ou até na "linguagem tão pouco conforme aos ideais europeus - chamando aos refugiados "carga humana indesejada" - do ministro Salvini [Matteo Salvini é o líder da Liga Norte e vice-primeiro-ministro de Itália]".

Augusto Santos Silva é claro: "A União Europeia tem de se defender. As próximas eleições são um momento político determinante."

Na opinião do ministro "está em causa, como nunca vimos antes, a legitimação da Europa como projeto político". "Nós precisamos de um sobressalto cívico e político nas próximas eleições europeias. Espero o mesmo sobressalto de que falo, como socialista, nos outros partidos europeus, no PPE, nos Liberais, nos Verdes... Pelo menos nesses."

As eleições de maio próximo, que costumam ser marcadas por uma abstenção maior, terão, para Santos Silva, uma importância "comparável à da eleição de Macron" - quando o presidente francês derrotou na segunda volta a candidata Marine Le Pen.

O seu desejo é que a eleição dos deputados europeus não seja vista, como é habitual, como uma "eleição de segunda ordem". "As próximas europeias não podem ser reduzidas a um conjunto de 28 eleições nacionais."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.