Premium Os primeiros Mundiais de atletismo da era pós-Bolt

Sem o jamaicano que dominou as pistas durante uma década, a elite do atletismo reúne-se em Doha à procura de novos ídolos para celebrar. Para Portugal, há uma estreia a criar expectativa e uma campeã com um título para defender.


O show não vai ser o mesmo. O relâmpago apagou-se (dizem que se tentou mudar para os campos de futebol) e aquele trovão de bruaás nas bancadas que o acompanhava de cada vez que surgia a iluminar a pista de atletismo vai ter de encontrar outra referência. No final de setembro de 2019 (de 28 até 6 de outubro), os Mundiais de atletismo no Qatar vão ser a primeira grande competição global pós-Usain Bolt, o jamaicano que revolucionou a velocidade ao longo de quase uma década e se tornou uma das mais populares figuras do desporto mundial.

Nos Mundiais de Londres, em 2017, Bolt despediu-se sem coroa. Conseguiu apenas a medalha de bronze nos 100 metros, afastado do ponto mais alto do pódio que foi o seu habitat natural desde que em 2008 irrompeu como um... relâmpago pela pista olímpica do Ninho de Pássaro, nos Jogos de Pequim. Bolt reescreveu os livros dos recordes nos 100 e nos 200 metros, deixou-os aparentemente inacessíveis a toda uma geração nos anos mais próximos e, sobretudo, deu ao atletismo uma nova superestrela para celebrar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.