Quando a guerra se tornou ilegal

Numa edição que dava conta da modernização do Vaticano - onde chegara o telefone -, o DN anunciava "um notável acontecimento": a assinatura do pacto Kellogg

"A guerra fora da lei." Era assim que se apresentava no DN, neste dia 29 de 1928, "o mais notável acontecimento dos últimos tempos": a assinatura do pacto de Kellogg (batizado com o nome do Secretário de Estado dos Estados Unidos Frank B. Kellogg), dois dias antes.

Assinado quando se cumpria uma década do fim da I Guerra Mundial - por representantes da Austrália, Bélgica, Canadá, Checoslováquia, França, Alemanha, Índia, Irlanda, Itália, Japão, Nova Zelândia, Polónia, África do Sul e Reino Unido e aberto em seguida a outros países, incluindo Portugal -, o também chamado Pacto de Paris consistia num tratado internacional que determinava "a renúncia à guerra como instrumento de política nacional". E apesar de não ter conseguido acabar com a guerra, conforme se propunha, esse acordo veio a ser fundamental para o desenvolvimento do Direito Internacional.

Dois dias depois da sua criação, o DN noticiava com grande destaque que o governo português fora convidado a assinar o tratado, "cujo texto lhe foi entregue pelo sr. ministro dos Estados Unidos". Reproduzia-se então o ofício que chegara ao ministro dos Negócios Estrangeiros português, António Maria de Bettencourt Rodrigues, sobre o "tratado de Abolição da Guerra", para concluir que a adesão de Portugal iria ser posteriormente apreciada em conselho de ministros.

Numa notícia curta, nesta mesma edição, contava-se de como os tempos modernos chegavam ao Vaticano. "Está lá? É do Vaticano?", titulava o DN, para em seguida relatar que, depois de o cinema se instalar nos jardins de S. Pedro, era agora "a campainha do telefone a retinir nos gabinetes do velho palácio dos Papas". "Modernismo? Não. As exigências da vida, unicamente", concluía-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."