Aconteceu em 1928 - Quando a guerra se tornou ilegal

Numa edição que dava conta da modernização do Vaticano - onde chegara o telefone -, o DN anunciava "um notável acontecimento": a assinatura do pacto Kellogg

"A guerra fora da lei." Era assim que se apresentava no DN, neste dia 29 de 1928, "o mais notável acontecimento dos últimos tempos": a assinatura do pacto de Kellogg (batizado com o nome do Secretário de Estado dos Estados Unidos Frank B. Kellogg), dois dias antes.

Assinado quando se cumpria uma década do fim da I Guerra Mundial - por representantes da Austrália, Bélgica, Canadá, Checoslováquia, França, Alemanha, Índia, Irlanda, Itália, Japão, Nova Zelândia, Polónia, África do Sul e Reino Unido e aberto em seguida a outros países, incluindo Portugal -, o também chamado Pacto de Paris consistia num tratado internacional que determinava "a renúncia à guerra como instrumento de política nacional". E apesar de não ter conseguido acabar com a guerra, conforme se propunha, esse acordo veio a ser fundamental para o desenvolvimento do Direito Internacional.

Dois dias depois da sua criação, o DN noticiava com grande destaque que o governo português fora convidado a assinar o tratado, "cujo texto lhe foi entregue pelo sr. ministro dos Estados Unidos". Reproduzia-se então o ofício que chegara ao ministro dos Negócios Estrangeiros português, António Maria de Bettencourt Rodrigues, sobre o "tratado de Abolição da Guerra", para concluir que a adesão de Portugal iria ser posteriormente apreciada em conselho de ministros.

Numa notícia curta, nesta mesma edição, contava-se de como os tempos modernos chegavam ao Vaticano. "Está lá? É do Vaticano?", titulava o DN, para em seguida relatar que, depois de o cinema se instalar nos jardins de S. Pedro, era agora "a campainha do telefone a retinir nos gabinetes do velho palácio dos Papas". "Modernismo? Não. As exigências da vida, unicamente", concluía-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.