Premium Facebook quer depender só de energias renováveis até 2020

O Facebook anunciou que continua a trabalhar para reduzir as emissões de gases poluentes. Além disso, vai ainda mais longe e reforça a ambição de sustentar todas as operações globais a partir de energias sustentáveis

Em comunicado, o Facebook indica que "continua a trabalhar para ser um dos maiores compradores de energias renováveis". A empresa de Mark Zuckerberg refere que, no último ano, assinou inclusive vários contratos ligados à área da energia solar e energia eólica, reforçando o empenho nas questões da sustentabilidade.

Um dos primeiros contratos assinados foi em 2013 e, ao longo dos anos seguintes, o Facebook começou a delinear alguns objetivos a atingir na caminhada para depender apenas de energias renováveis. Em 2015, definiram como objetivo depender em 50% de energias renováveis, até 2018. Na prática, o Facebook conseguiu atingir os 51% de energia limpa e renovável já no ano passado.

Agora, a empresa leva a promessa mais além e estabelece como objetivo a redução em 75% das emissões poluentes. Daqui a dois anos, o Facebook quer depender só de energia limpa nas sua diferentes localizações - para isso, está a investir em formas de conseguir alimentar os seus data centers a partir de energia solar e energia do vento.

Os data centers são uma fonte de consumo energético, principalmente pela energia necessária para fazer o arrefecimento da estrutura. A preocupação energética é tanta que empresas como a Microsoft, por exemplo, já testam formas alternativas de fazer o processo de arrefecimento do data center. No caso desta tecnológica, o teste passou por submergir um data center no Mar do Norte.

Também a Apple assumiu o compromisso para reduzir as emissões de gases poluentes. Na China, a empresa da maçã anunciou recentemente um fundo milionário, de 300 milhões de dólares, em parceria com outras dez empresas. A preocupação com a sustentabilidade foi também levada a sério na construção da nova sede da Apple, em Cupertino: a estrutura é alimentada por energia solar, proveniente dos painéis solares no telhado do edifício circular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.