Premium Facebook quer depender só de energias renováveis até 2020

O Facebook anunciou que continua a trabalhar para reduzir as emissões de gases poluentes. Além disso, vai ainda mais longe e reforça a ambição de sustentar todas as operações globais a partir de energias sustentáveis

Em comunicado, o Facebook indica que "continua a trabalhar para ser um dos maiores compradores de energias renováveis". A empresa de Mark Zuckerberg refere que, no último ano, assinou inclusive vários contratos ligados à área da energia solar e energia eólica, reforçando o empenho nas questões da sustentabilidade.

Um dos primeiros contratos assinados foi em 2013 e, ao longo dos anos seguintes, o Facebook começou a delinear alguns objetivos a atingir na caminhada para depender apenas de energias renováveis. Em 2015, definiram como objetivo depender em 50% de energias renováveis, até 2018. Na prática, o Facebook conseguiu atingir os 51% de energia limpa e renovável já no ano passado.

Agora, a empresa leva a promessa mais além e estabelece como objetivo a redução em 75% das emissões poluentes. Daqui a dois anos, o Facebook quer depender só de energia limpa nas sua diferentes localizações - para isso, está a investir em formas de conseguir alimentar os seus data centers a partir de energia solar e energia do vento.

Os data centers são uma fonte de consumo energético, principalmente pela energia necessária para fazer o arrefecimento da estrutura. A preocupação energética é tanta que empresas como a Microsoft, por exemplo, já testam formas alternativas de fazer o processo de arrefecimento do data center. No caso desta tecnológica, o teste passou por submergir um data center no Mar do Norte.

Também a Apple assumiu o compromisso para reduzir as emissões de gases poluentes. Na China, a empresa da maçã anunciou recentemente um fundo milionário, de 300 milhões de dólares, em parceria com outras dez empresas. A preocupação com a sustentabilidade foi também levada a sério na construção da nova sede da Apple, em Cupertino: a estrutura é alimentada por energia solar, proveniente dos painéis solares no telhado do edifício circular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.