Premium Facebook quer depender só de energias renováveis até 2020

O Facebook anunciou que continua a trabalhar para reduzir as emissões de gases poluentes. Além disso, vai ainda mais longe e reforça a ambição de sustentar todas as operações globais a partir de energias sustentáveis

Em comunicado, o Facebook indica que "continua a trabalhar para ser um dos maiores compradores de energias renováveis". A empresa de Mark Zuckerberg refere que, no último ano, assinou inclusive vários contratos ligados à área da energia solar e energia eólica, reforçando o empenho nas questões da sustentabilidade.

Um dos primeiros contratos assinados foi em 2013 e, ao longo dos anos seguintes, o Facebook começou a delinear alguns objetivos a atingir na caminhada para depender apenas de energias renováveis. Em 2015, definiram como objetivo depender em 50% de energias renováveis, até 2018. Na prática, o Facebook conseguiu atingir os 51% de energia limpa e renovável já no ano passado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.