Premium Encolher os dias

Não há dia em que não o ouça, muitas vezes são duas senhoras que se encontram, por vezes dois senhores.

- Então, dona Aida (ou São, ou Elsa, ou senhor António), como vai andando?

- Olhe, cá vou, devagarinho...

Eu sei que o advérbio vai muito para além das pernas, tenho idade para desconfiar do óbvio. Recordo-me de fazer a mesma pergunta ao meu avô nos últimos tempos de vida e de ficar intrigado com a resposta: "Olha, cá vou encolhendo os dias."

A velhice é cheia de contradições, as horas são cada vez mais lentas e os dias cada vez mais curtos. Vem-me à memória o paradoxo de Zenão e a metade da metade do caminho. Afinal, ninguém quer chegar à meta e só nos resta enganar o tempo, devagar, devagarinho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).