Quem é o autor do meme de Catarina Martins

Manuel Vilarinho Pires percebeu que nas redes sociais o ódio aos adversários ajuda a replicar boatos. Fez uma imagem falsa e viu-a ser partilhada como verdadeira. Esta é a origem da história do "relógio de Catarina Martins".

Manuel Vilarinho Pires abriu o programa Paint e colocou lá uma fotografia de Catarina Martins. Da internet retirou uma outra imagem, de um anúncio a um relógio suíço de 20,9 milhões de euros, que sobrepôs no lado esquerdo da fotografia. Fez um círculo no punho da líder do BE. E assim ficou. "Achei que o boneco tinha saído bem feito", garante.

Há uma explicação para esta tarefa pouco habitual. Para muitos, as redes sociais abriram um espaço de debate igualitário, sem precedentes na nossa história. Para outros, como Manuel Vilarinho Pires, trazem, também, um lado perverso. "São tribos onde toda a gente se rodeia de pessoas que pensam da mesma maneira e onde é fácil a escalada do "mata", "esfola"."

O gestor, de 61 anos, não tem qualquer experiência em artes gráficas. Mas tinha uma intenção: "Mostrar às pessoas que acreditam em boatos que é fácil enganá-las." No fim, assume, ficou "muito contente".

Uma semana depois de o DN ter publicado a notícia sobre a página Direita Política, que divulgou aquela imagem como sendo verdadeira, Manuel Vilarinho Pires conta-nos porque decidiu criar este boato.

Uma informação útil, antes de continuarmos: o autor da montagem não é nenhum fã de Catarina Martins nem do BE. Manuel Vilarinho Pires é militante do PSD e eleito numa freguesia dos arredores de Lisboa numa lista conjunta do PSD com o CDS. "Sou de direita e tão anticomunista como antipopulista", acrescenta. Porém, neste caso da desinformação nas redes sociais, o que está em causa não é saber se a esquerda ataca a direita ou vice-versa. "É uma ameaça à democracia", esclarece.

A lista de notícias falsas sobre figuras públicas portuguesas, no passado, é longa. Em 2010 circularam imagens falsas de um suposto cartão de "informador" da PIDE de Cavaco Silva. Em 2012, Francisco Pinto Balsemão foi vítima de uma campanha difamatória no Twitter e o caso, investigado pela justiça, acabou por ditar uma indemnização a ser paga pelo ex-chefe das secretas Jorge Silva Carvalho. Mais recentemente, circulou também uma fotomontagem em que Marcelo Rebelo de Sousa aparece sentado no banco traseiro de um carro ao lado de Marcello Caetano - evidentemente falsa, a olho nu, quanto mais não fosse por ignorar a diferença de idades entre os dois.

Nos últimos tempos, nota, o ritmo "artesanal" dos boatos deu lugar a uma periodicidade "industrial". As redes tornaram-se num ambiente de "boato permanente". E isso deu a Manuel Vilarinho Pires uma ideia.

Nos últimos meses, um relógio era o centro de uma das notícias falsas que despertaram a sua atenção. No Brasil, em plena campanha eleitoral, circulava uma imagem em que Jair Bolsonaro aparece com um relógio digital barato, enquanto o seu rival, Fernando Haddad, usa um caríssimo relógio suíço. O gestor português garante que perdeu uma hora de pesquisa na internet para concluir que o relógio de Haddad não é aquele, não é caro, e que tudo não passava de uma montagem para criar um boato.

A utilidade dessa verificação factual foi, diz-nos, "nenhuma". Quase ninguém acreditou que o candidato do PT não usasse um improvável relógio de rico. Foi aí que teve a ideia de tentar "uma abordagem menos convencional com a esperança de ser mais convincente". Catarina Martins entra nesta história assim.

Nas suas redes sociais, conta Manuel Vilarinho Pires, "há muitas pessoas irritadas com a superioridade moral do BE". Isso tornaria mais credível o seu boato, por o partido ser "moralista e hipócrita, e fazer uma política de casos", diz. "Se pusesse o Dias Loureiro com um relógio caro, dir-me-iam "olha, lá está a esquerda outra vez a criticar"... "No caso de Catarina Martins a reação seria outra: "As pessoas têm vontade de acreditar que a imagem é verdadeira."

O que Manuel Vilarinho Pires não sabia, quando colocou a imagem no Facebook e no Twitter, no dia 12 de outubro, às 10.12, era qual seria o efeito seguinte. Mesmo alguns dos seus 16 amigos que partilharam a imagem não se deram conta do texto que a acompanhava: "Esta notícia é, obviamente, FALSA, e destina-se a chamar a atenção para a facilidade de enganar pessoas insinuando, através de comentários ou símbolos gráficos como setas, associações entre imagens que pura e simplesmente não existem." A advertência foi ignorada. Os comentários foram rápidos, os do costume - "gente falsa", "ladrões".

Três dias depois, a montagem falsa que pretendia apenas "chamar a atenção", e evitar o logro, já era uma realidade - falsa, também. O Direita Política editou a fotografia uma vez mais. Escreveu em cima da montagem de Manuel Vilarinho Pires a frase "a maior fraude da política portuguesa a seguir a António Costa". O texto que acompanhava a fotografia, no site, carregava nos adjetivos: "O que mais me enoja, me dá asco, repulsa, é a falsa superioridade moral com que a esquerda se exibe, perante o eleitorado e os meios de comunicação social. Gente repulsiva, verdadeiros estercos humanos a tentarem passar a imagem de que partilham valores e conceitos éticos." Resultado: milhares de partilhas nas redes sociais.

Manuel Vilarinho Pires foi alertado por amigos para a utilização da sua imagem pelo Direita Política - que faz parte de um conjunto de endereços gerido por João Pedro Fernandes, informático de Santo Tirso. Foi ao site alertar para a falsidade que estava a ser divulgada. E escreveu no seu Facebook: "Esta Direita Política do blogue só pode ser uma de duas coisas: desonesta, por ter publicado a imagem sabendo que é falsa; ou burra, por mesmo com a explicação não ter percebido que é falsa. No limite, acumula as duas qualidades."

O desabafo era a moral da história. O autor da imagem falsa concluía, naquele momento, que por mais que um boato seja "caricatural", absurdo, inverosímil, há sempre espaço para que se propague. Ainda que veja alguma utilidade no que fez, porque o seu trabalho gráfico "parece ter servido para a comunicação social expor uma rede organizada de difusão de boatos".

Manuel Vilarinho Pires tinha lido, há poucos dias, a entrevista de Madeleine Albright ao DN. E ficou com uma frase da ex-secretária de Estado de Bill Clinton na cabeça. É uma frase que explica esta e outras histórias: "O fascismo prospera quando as pessoas estão convencidas de que toda a gente mente e de que é necessária uma mão de ferro para impor a ordem num mundo caótico."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.