Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, durante uma conferência em abril de 2019.
Premium

poder

Facebook não vai cumprir lei eleitoral portuguesa

Responsáveis da empresa mostraram desagrado com leis portuguesas sobre propaganda política. Isto quando o Facebook foi condenado a pagar multa recorde e foi alvo de um relatório sobre a ineficácia dos seus registos de... propaganda política.

O Parlamento português ainda não legislou sobre a influência das redes sociais na política, ao contrário de outros países europeus, como a Alemanha, a França ou a Espanha. Mas decidam o que decidirem os deputados, as regras podem não chegar a ser cumpridas. Esse é um dos mais surpreendentes resultados de uma visita dos responsáveis do Facebook a São Bento, na última semana.

Em várias reuniões com os partidos políticos e organizações públicas, o Facebook pretendia mostrar o seu "esforço de transparência" - sobretudo a organização, e publicitação, da biblioteca de anúncios políticos, bem como os critérios para classificar um anúncio desses. Mas a rede social foi logo confrontada com um problema concreto. Em Portugal os anúncios políticos pagos são proibidos a partir do dia em que são marcadas as eleições. Ou seja, quando Marcelo Rebelo de Sousa anunciar publicamente a data das próximas legislativas (com a antecedência mínima de 60 dias) ninguém pode comprar publicidade política em Portugal.

Ler mais

Exclusivos