TAP quer mais 300 pilotos até ao final do ano

A transportadora aérea portuguesa quer reforçar o quadro de pessoal, atualmente com mais de mil pilotos. O crescimento das operações da companhia justifica decisão.

A TAP está a crescer e para responder ao aumento das rotas precisa de mais pessoal. Só pilotos a empresa quer mais 300 até ao final deste ano, tendo já aberto um concurso de recrutamento. Desde janeiro entraram outros 90, elevando a 1100 o total de pilotos.

Este novo recrutamento "deve-se ao período de expansão que a companhia está a viver. É uma nova era para a TAP. Até 2025, vamos receber 71 novos aviões, de última geração, mais eficientes e mais silenciosos, que estão a dotar a companhia de uma das frotas mais modernas do mundo. Nos próximos dez anos queremos duplicar o número de passageiros", explica fonte oficial da TAP ao Dinheiro Vivo. A transportadora garante que "não se têm verificado saídas e as reformas por idade são muito residuais".

No ano passado, a TAP transportou 14 225 milhões de passageiros, um aumento de quase 22% face a 2016. E operava um total de 88 aviões, 22 dos quais para voos de longo curso.

"Estamos a recrutar 20 pilotos a cada 15 dias", revela ainda fonte oficial.

Mas não são só pilotos que têm entrado para a TAP. Desde o início do ano, a empresa admitiu, ao todo, 700 novos trabalhadores: mais de 400 tripulantes de cabine, 90 pilotos e 150 pessoas para outras funções, como o call center. São quase metade das contratações realizadas em três anos. "Nos últimos três anos foram contratadas cerca de 1500 pessoas."

Prioridades para 2018

No relatório anual do ano passado, a TAP estabeleceu algumas prioridades e assinalava que "o esforço de investimento estratégico previsto no Projeto Estratégico do Grupo vai ser sustentado, em particular no que se refere ao aumento da frota, resultante da entrada em serviço do novo avião, incluindo a chegada do primeiro Neo Airbus".

A empresa prevê que estes novos investimentos lhe vão permitir "abrir novos destinos e frequência [dos voos]". Voando para mais de 80 cidades, a transportadora aérea pode estar já a ponderar novos destinos.

No final de junho, Antonoaldo Neves, CEO, disse que a TAP quer "ser a principal companhia aérea da Europa" a voar para a América do Norte. O gestor disse, há um mês, que estão em vista dez novos destinos para expandir a presença da transportadora nesta região. A América do Norte foi, em 2017, o terceiro maior mercado da TAP, com um peso de 10% na operação.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.