Premium Robô autónomo vai ajudar a proteger recifes de corais e mergulhadores

A ideia é de um grupo de estudantes do Instituto Politécnico de Worcester, em Massachusetts, nos Estados Unidos, que criou um robô com o intuito de proteger os recifes de corais e mergulhadores das ameaças dos peixes-leão

Este robô funciona de uma forma autónoma e pode, obviamente, funcionar debaixo de água. A ideia é que possa servir como uma barreira à invasão de peixes-leão, predadores naturais que ameaçam tanto os corais como os mergulhadores que circulam pelas águas das Caraíbas.

Devido aos espinhos e a uma substância venenosa, os peixes-leão acabam por ser uma ameaça aos mergulhadores, numa área onde atividades como mergulho e pesca desportiva funcionam como fortes impulsionadores da atividade turística.

A ideia deste robô passa por caçar de forma autónoma o peixe-leão, na tentativa de minimizar o impacto negativo da espécie no ecossistema marinho. Para levar a cabo essa tarefa, o robô conta com oito lanças numa das extremidades e duas pequenas caixas nas laterais, que contêm as câmaras para o sistema de navegação do robô.

Para reconhecer a espécie de peixe que tem de caçar, o robô foi treinado com milhares de fotografias ao longo do projeto.

Por enquanto, o robô não está totalmente preparado para entrar ao serviço. A segunda fase do projeto continuará a ser desenvolvida no politécnico, por estudantes que vão ajudar agora a desenvolver o sistema de navegação, para que o robô ganhe novas funcionalidades de reconhecimento do terreno.

Na lógica dos estudantes responsáveis pelo projeto, quando o robô funcionar de forma autónoma a equilibrar o número de peixes-leão disponívei, será menos necessária a intervenção humana, o que evitará maiores desequilíbrios.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.