Notícias de roubos no Ultramar

Além do costumeiro anúncio de que "suas Majestades e altezas assam sem novidade em suas importantes saúdes", a abrir o jornal, o DN deste dia dava conta de "nova afronta e nova espoliação" de territórios portugueses do Ultramar pelos ingleses

"Continuam a ser más as notícias da Guiné portuguesa", escrevia o DN neste dia 28 de agosto, do ano de 1868. Em causa estavam as afrontas e espoliações" cometidas por agentes da Grã Bretanha aos territórios ultramarinos.

"Depois da minha última correspondência, em que relatei o atentado cometido pelas autoridades inglesas na nossa colónia do Rio Grande, chegou já a notícia de nova espoliação praticada para connosco pelos representantes da Grã Bretanha", relatava o correspondente, que prosseguia descrevendo os eventos de 7 de julho, quando na Ponta de Cacheu esses invasores ergueram a bandeira britânica, deixando de guarda alguns militares.

"Esta espoliação é tanto mais revoltante que o português Barreto tinha comprado à sua custa aos gentios os terrenos da sua feitoria", conta o repórter, explicando que esse era o local de onde se exportava a maior quantidade de produtos. "O delegado do governo inglês trata de fazer concessões de terrenos pertencentes à feitoria portuguesa a súbditos britânicos, dizendo-lhes que podem ali estabelecer-se livremente 'porque o governo inglês não conhece portugueses no Rio Grande'."

A notícia destacava-se das demais com um tom de alarme, já que não era facto único - na verdade vinham sendo repetidos atos semelhantes, conforme concluía o repórter, que dava conta de mais um episódio na "invasão estrangeira do território da coroa portuguesa", da "espoliação do nossos domínios de além-mar" e da forma como era "vilipendiada e abatida a nossa bandeira".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.