Europa e energia são o prato forte das 10 horas de Macron em Lisboa

Europa, Europa e Europa. É este o tema central da visita do presidente francês à capital portuguesa nesta sexta-feira. Começa na Fundação Gulbenkian, onde visita a exposição Pós-Pop e debate com António Costa os desafios europeus, e termina na Agência Europeia de Segurança Marítima, com almoço em São Bento pelo meio.

Emmanuel Macron encontrou-se na quinta-feira em Madrid com o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e menos de 24 horas depois, a partir das 16.00, voltam a estar juntos. Se no Palácio da Moncloa a imigração e a reforma da União Europeia foram os temas centrais da reunião, a presença dos dois líderes no edifício do Cais do Sodré é motivada por outro tema de interesse comum: a ligação energética da Península Ibérica a França.

Na cimeira das interligações energéticas prevê-se um acordo entre Portugal, Espanha e França para quintuplicar a capacidade de ligação de eletricidade entre os países, em resposta à meta fixada pelo Conselho Europeu, de possibilitar o transporte transfronteiriço de energia em pelo menos o equivalente a 10% da potência instalada no país, até 2020.

Neste momento a interligação energética de França com Espanha não passa dos 3%.
O aumento da capacidade de transporte de energia é também uma antiga reivindicação portuguesa, tendo em conta o potencial de exportação do setor, graças à produção de energias renováveis.

Alinhamento de Lisboa a Paris

António Costa e Emmanuel Macron reencontram-se pela terceira vez no mesmo dia na Agência Europeia de Segurança Marítima.
Juntos com Pedro Sánchez representam, neste momento, um "alinhamento de posições" sobre os temas mais importantes, o que é visto pelo ministro da Economia português, Manuel Caldeira Cabral, como "um importante sucesso na política europeia".

No encontro participam igualmente o primeiro-ministro português, António Costa, o comissário europeu para a Ação Climática e Energia, Miguel Arias Cañete (em representação do presidente da Comissão Jean-Claude Juncker), e a vice-presidente do Banco Europeu de Investimento, Emma Navarro.

Antes, às 13.30, o governante português e o chefe do Estado francês estão juntos para um almoço de trabalho. No Palácio de São Bento, o encontro decorre "sem agenda fechada", informou ao DN a assessoria de imprensa do primeiro-ministro. As relações bilaterais e os principais temas da agenda europeia e internacional farão parte das conversas.
É de prever que os temas que motivam o encontro franco-espanhol - a imigração e a reforma da União Europeia - sejam debatidos.

Em mais de uma ocasião, Emmanuel Macron estabeleceu como prioridades da reforma das instituições europeias tendo como objetivo a estabilidade da zona euro, a melhoria da competitividade e mais segurança com uma nova política de asilo comum e melhor proteção das fronteiras.

Visita privada, debate público

Debate é a palavra para definir o encontro com os cidadãos promovido pelo governo português e que junta Emmanuel Macron e António Costa no grande auditório da Fundação Calouste Gulbenkian. Os Desafios da Europa é o título genérico que junta os dois dirigentes a partir das 11.00, num encontro que será moderado pela editora executiva do Diário de Notícias Helena Tecedeiro.

A chegada do líder francês à Fundação Calouste Gulbenkian está agendada para as 10.30. Com trinta minutos até ao encontro com os cidadãos, a presidente do conselho de administração, Isabel Mota, na companhia do primeiro-ministro, faz as honras à casa e mostra a Macron, em visita privada, a exposição Pós-Pop. Fora do Lugar Comum , soube o DN.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.